Operação da PF no Amazonas e no Acre: principal empresa investigada recebeu R$ 70 milhões da saúde

blank

Foto: Reprodução

Após auditoria da Controladoria Gera a União (CGU) identificar irregularidades na área da saúde pública em municípios do Estado do Acre e Amazonas, a Polícia Federal deflagrou, nesta quarta-feira (3), a Operação Off-Label, com a execução de 85 mandados de busca e apreensão nos municípios de Cruzeiro do Sul (AC), Rodrigues Alves (AC), Marechal Thaumaturgo (AC), Xapuri (AC), Epitaciolândia (AC), Bujari (AC), Rio Branco (AC), Jordão (AC) e Boca do Acre (AM), Pauiní (AM) e Guajará (AM). Apenas uma das empresas que supostamente faria parte do esquema de fraudes na saúde recebeu R$ 70 milhões em verbas públicas, no período de 2017 a 2019.

As irregularidades foram identificadas pela CGU durante as fiscalizações do 4º Ciclo do Programa de Fiscalização em Entes Federativos, realizadas no município de Cruzeiro do Sul em setembro de 2017. Dentre as supostas fraudes estão a compra de insumos sem realização de procedimento administrativo e o direcionamento de procedimentos licitatórios. A CGU também constatou indícios de pagamento por medicamentos e insumos hospitalares que não foram entregues ao município e preços superiores aos praticados no mercado.

Em um desses casos, os auditores da CGU detectaram um prejuízo de R$ 309.014,60 ao analisar apenas uma amostra de pagamentos de R$ 631.267,49. Consequentemente, quase 50% dos pagamentos analisados causaram prejuízo ao município de Cruzeiro do Sul.
No decorrer das investigações, a Polícia Federal constatou indícios de que a fraude também vem ocorrendo nos municípios de Rodrigues Alves, Marechal Thaumaturgo, Xapuri, Epitaciolândia, Bujari, Rio Branco, Jordão e Boca do Acre, Pauiní e Guajará.

Diligências

A Operação Off-Label cumpre 85 mandados de busca e apreensão em endereços localizados em onze municípios. Os trabalhos contam com a participação de 250 policiais federais de três auditores da CGU. Os mandados de busca e apreensão domiciliar foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, após a Procuradoria Regional da República da 1ª Região ter se manifestado favoravelmente ao deferimento das medidas.
Os envolvidos estão sendo investigados pelos crimes de organização criminosa, peculato-desvio, corrupção e lavagem de capitais. Se condenados, poderão cumprir pena de até 42 anos de reclusão.
O termo “off-label” é empregado para se referir à utilização de medicamentos de forma diversa às indicações prescritas em bula, sem aprovação e homologação dos órgãos competentes.
Os mandados de busca e apreensão domiciliar foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, após a Procuradoria Regional da República da 1ª Região ter se manifestado favoravelmente ao deferimento das medidas.