Órfãos da terceira via já discutem opção entre Lula e Bolsonaro

Políticos e entusiastas de candidatura de centro traçam estratégias e admitem até voto nulo

ex-presidente Lula (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL) – Marlene Bergamo/Folhapress e Adriano Machado/Reuters

O esfarelamento da chamada terceira via, com a dificuldade da construção de uma candidatura unitária e os resultados decepcionantes nas pesquisas, abriu espaço para discussões sobre uma escolha entre Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que hoje lidera a corrida, e o presidente Jair Bolsonaro (PL).

O assunto se tornou frequente entre articuladores de campanhas e representantes da sociedade e do empresariado que são entusiastas de uma alternativa competitiva aos dois favoritos, que têm juntos cerca de 70% das intenções de voto.

Por ora, no entanto, parte do debate está restrita aos bastidores, enquanto sobrevivem os últimos esforços para colocar de pé uma chapa do autodenominado centro democrático. Ciro Gomes (PDT), João Doria (PSDB) e Simone Tebet (MDB) tentam ser os escolhidos para a missão.

Enquanto os próprios pré-candidatos respondem com evasivas sobre sua opção em um eventual segundo turno entre Lula e Bolsonaro, dando apenas indicações, opiniões de outros líderes políticos que passaram meses defendendo um caminho do meio começam a vir à luz.

O ex-presidente Michel Temer (MDB) já resolveu nesse cenário apoiar Bolsonaro, como antecipou em abril o Painel, da Folha. O vice de Dilma Rousseff (PT), que assumiu o Planalto após o impeachment, tem evitado se aprofundar no assunto porque, por enquanto, ainda aposta na colega de partido Tebet.

Pesam na decisão dele as críticas de petistas que o acusam de golpista e as promessas de Lula de reverter medidas implementadas pelo emedebista, como o teto de gastos e a reforma trabalhista. Temer atuou como mediador em uma das crises entre Bolsonaro e o STF (Supremo Tribunal Federal).

Tratada sob reserva, a possibilidade de outros setores e agentes envolvidos nas conversas abandonarem o barco antipolarização e declararem apoio à reeleição do atual mandatário está colocada, apesar do discurso de que o grupo repele igualmente os dois protagonistas do certame.

Lula também começa a atrair gente desse campo. O ex-ministro Aloysio Nunes Ferreira (PSDB) confirmou nesta sexta-feira (13) ao jornal O Estado de S. Paulo que apoiará o petista já no primeiro turno, no intuito de “salvar o Brasil da tragédia de Bolsonaro”.

As migrações em ambos os lados geralmente vêm acompanhadas de ressalvas, com a observação de que há discordâncias pontuais com o presidenciável, mas que o seu oponente é ainda pior.

A saga da terceira via teria na próxima quarta-feira (18) um capítulo derradeiro, com o anúncio de uma candidatura unificada, mas nada está assegurado. Um encaminhamento depende da análise de uma pesquisa encomendada para ver quem é mais forte entre Doria e Tebet.

O saldo até aqui foi marcado por tropeços. A expectativa em torno de Sergio Moro (primeiro no Podemos, depois na União Brasil) derreteu, Eduardo Leite (que negou convite do PSD e ficou no PSDB) fez um recuo estratégico, Luciano Bivar (União Brasil) rompeu com o grupo e se lançou pré-candidato.

Refratário à sua inclusão como parte da terceira via, Ciro ampliou o diálogo com os setores de centro-direita empenhados na fabricação da alternativa, mas seu nome sofre resistência principalmente por causa das divergências na seara econômica e pela fama de intransigente.

Presidenciável do Novo, Felipe d’Avila também se distanciou das tratativas sobre aglutinação e prega voto nulo caso se configure um embate direto entre Lula e Bolsonaro.

“Nenhum dos dois tem credibilidade para honrar as propostas e o projeto do partido Novo”, diz o também cientista político. “E o passo seguinte à eleição é fazer uma oposição responsável”, segue ele, que afirma discordar da tese de “mal menor” usada como argumento para o voto de segundo turno.

A anulação do voto é também a proposta defendida pelo empresário João Amoêdo, que foi candidato do Novo à Presidência em 2018 e desistiu da campanha neste ano após conflitos com uma ala bolsonarista da sigla. “Não consigo apoiar nenhum dos dois”, diz.

Para Amoêdo, Bolsonaro é intragável “por todos os erros que cometeu do ponto de vista econômico, ambiental, internacional”, e Lula “tem um histórico muito ruim de corrupção do PT e em nenhum momento sinaliza reconhecer erros cometidos, passando a mensagem de que poderá repeti-los”.

Com a constatação de que dificilmente Lula e Bolsonaro deixarão o topo da corrida, um raciocínio de certa forma paliativo passou a circular entre diferentes atores desse segmento nas últimas semanas. A ideia é defender que haja uma ou mais candidaturas ao menos para elevar o nível do debate.

“Tem muita gente que fala assim: ‘Mas [o candidato] pode não chegar no segundo turno’. Pode”, reconheceu Paulo Hartung, ex-governador do Espírito Santo que hoje transita entre os universos político e financeiro, em entrevista ao Canal Livre, da Band, no início deste mês.

A visão de Hartung, repetida por colegas dele na empreitada, é a de que a centro-direita não pode perder a oportunidade de levar seus projetos para a arena eleitoral e deve usar seu resultado nas urnas, qualquer que seja ele, para negociar apoio no segundo turno com base em agendas e propostas.

As projeções mais otimistas falam em alcançar um patamar de 10%, mas, diante do quadro hostil, uma fatia de 5% já seria comemorada.

“Ele [candidato] vai ser influente no segundo turno, vai ajudar a decidir o rumo do país e o programa que o Brasil vai seguir de agora para a frente”, completou. A hipótese não é dita às claras por ninguém, mas a tendência, nesse caso, seria baixar as armas e buscar algum acordo com o PT.

O ex-governador, que foi do MDB, do PSB e do PSDB, já colaborou com o apresentador Luciano Huck (que trocou a política pela manutenção da carreira na TV Globo) e com Leite. A aposta da vez nos círculos que insistem na terceira via é mais Tebet do que Doria, pela alta rejeição do tucano entre eleitores.

“Eu não discuto segundo turno agora, antes do resultado do primeiro, nem sob tortura”, diz Hartung à Folha, sobre escolher entre Lula e Bolsonaro. “É hora de produzir uma alternativa à polarização”, segue ele, que em 2018 apoiou Fernando Haddad (PT) no segundo turno “pela questão democrática”.

O Derrubando Muros, grupo independente que reúne cerca de cem empresários, acadêmicos e profissionais de várias áreas, viu florescer entre os membros o apelo para que as forças não se dispersem. O movimento abriga simpatizantes de um nome alternativo e de Lula, mas abomina Bolsonaro.

A ideia de que é preciso baixar as expectativas sobre resultado eleitoral de uma candidatura alternativa aos polos e ajudar a qualificar o debate ganhou adesões na organização, segundo seu coordenador, o sociólogo e empresário José Cesar Martins.

“Independentemente de crescer ou não, uma liderança do centro precisa estar lá para defender um programa liberal na economia e democrático nos costumes e na política”, diz ele. “Isso formaria um espólio [de eleitores] que teria efeitos no segundo turno. É para formar uma identidade e não deixar peças soltas. Porque tem uma parte do centro que a gente teme que vá com Bolsonaro.”

No pano de fundo está uma batalha para ver se o que fala mais alto é o antibolsonarismo ou o antipetismo. Embora a ida do ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) para a vice de Lula seja um aceno, há ceticismo sobre a real influência do ex-tucano na formulação do programa do PT.

“Não acho viável apoiar Lula já no primeiro turno porque não quero um centro anódino”, avalia Martins. “Deixando solto, vai ter uma perda significativa a favor do Bolsonaro. Não queremos isso. E a liderança do centro deve defender no segundo turno o voto em um candidato democrático.”

POSIÇÃO NO SEGUNDO TURNO LULA X BOLSONARO

Pró-Lula

Aloysio Nunes – O senador tucano disse que a terceira via “não existe” e declarou voto no petista já no primeiro turno, em vez de apoiar o pré-candidato do PSDB, João Doria

Rodrigo Maia – O ex-presidente da Câmara dos Deputados, hoje no PSDB, já declarou que iria de Lula “com o maior prazer” para fazer frente ao autoritarismo de Bolsonaro

Arminio Fraga – O ex-presidente do Banco Central (governo FHC) afirmou que votará em Lula “se a eleição estiver apertada”; do contrário, anulará, como fez em 2018

Pró-Bolsonaro

Michel Temer – O líder do MDB tem dito que apoiará o atual presidente, de quem se aproximou, e se incomoda com a crítica de que, na vice de Dilma, agiu como golpista

Nulo

Felipe d’Avila – O presidenciável do Novo e cientista político diz que “é autoengano achar que qualquer um dos dois populistas vá retomar o desenvolvimento e respeitar a democracia”

João Amoêdo – Após tentar o Planalto em 2018 e recuar neste ano por conflito com bolsonaristas do Novo, diz que não se sente representado por Lula nem por Bolsonaro

Incertos

Ciro Gomes – O presidenciável do PDT, que rivaliza com os dois favoritos, já admitiu indiretamente votar em Lula, considerando que “o segundo turno é a hora de votar no menos ruim”

Simone Tebet – A pré-candidata do MDB desconversa quando indagada sobre o assunto, mas já declarou que “o meu voto, o presidente da República Bolsonaro não tem”

João Doria – O presidenciável do PSDB negou que apoiará Lula e reiterou ser adversário de ambos, após cobranças por ter dito que o petista merece respeito, e Bolsonaro, não.