Os caras se “matando” e eu morrendo de rir – que Deus me perdoe!

Foto: Junio Matos

Eu fico surtada quando ouço políticos das três esferas de Poder, municipal, estadual e federal dizerem que não tomaram alguma atitude diante de um problema porque “não é da sua competência” – dá vontade de berrar aos quatro cantos pro fulano assumir logo a incompetência e sumir, desaparecer, escafeder-se. Esse jogo de empurra acontece desde o começo da pandemia, mas atingiu o “pico da baixaria” entre governo federal e governo do Amazonas no caso da falta de oxigênio nas unidades de saúde de Manaus que matou um número ainda não declarado de pessoas oficialmente, mas fala-se em dezenas de pacientes mortos por asfixia.

Os parlamentares aliados, correligionários, apaniguados, xerimbabos e coisas do gênero, tanto do lado de Messias Bolsonaro como de Wilson Lima decidiram colocar a culpa uns nos outros por uma tragédia anunciada desde o ano passado quando o Radar postou vídeo, em 19 de abril de 2020 com denúncia sobre pacientes mortos por falta de oxigênio no SPA do Alvorada.

E agora, diante de uma tragédia que ficou evidente aos olhos do mundo, classificada como crime dos mais bárbaros contra pessoas indefesas, quem já chegou até mesmo a pedir voto pro outro durante a campanha eleitoral de 2018 agora quer é a “morte” política do ex-aliado.

Ninguém quer assumir o erro fatal de não ter visto que o estoque de oxigênio estava zerado e que, sem um insumo vital para manter vivos pacientes de Covid-19, muita gente iria morrer. De um lado temos um ministro-general que passou dias no Amazonas, se preocupando em obrigar médicos a receitar cloroquina diante de uma mera possibilidade de uma pessoa estar com Covid-19, sem sequer realizar exame, na base do olhômetro mesmo, mas que num deu uma olhadinha nos insumos necessários para manter vivo quem estava internado nos hospitais.

Do outro lado, temos um governador que quer se isentar da tragédia, mesmo sendo visível sua lentidão nas decisões, sua falta de atitude, um gestor que não assume responsabilidades e deixa o Estado na mão de gente despreparada, que só visa satisfazer seus próprios interesses e ganhar dinheiro seja com o que for.

Agora, a toda hora aparece nas redes sociais um vídeo, um meme, e até uma fake news – este último muito usado por Bolsonaristas – de uns detonando os outros. E as informações dão conta que essa guerra vai muito além das redes sociais. Dizem que um certo senador e ex-governador, figura que participa ativamente do governo de Wilson Lima, teria articulado junto a família Bolsonaro para que o governador fosse blindado politicamente e não fosse afastado de suas funções pelas Cortes Superiores de Justiça do País, por ocasião da Operação Sangria. Será coincidência que a mesma Procuradoria Geral da República (PGR) que não quis afastar Wilson Lima do cargo mesmo dizendo com todas as letras que ele “comandava uma organização criminosa”, agora abre nova investigação anunciando que vai apurar omissão de Wilson Lima na morte de pacientes por falta de oxigênio?

É fato que os governo Bolsonaro quer “colocar na conta” do governador do Amazonas todas as mortes por Covid-19 , arrumando um boi de piranha e tirando de si toda a responsabilidade, como tem feito com os governadores e prefeitos do país, e até mesmo com o Supremo Tribunal Federal, a quem culpa por ele (Messias Bolsonaro) não ter tomado a frente das decisões sobre o combate a pandemia.

Todo mundo, com um mínimo de lucidez e informação, sabe que é exatamente o contrário. O STF apenas deu a governadores e prefeitos autoridade para tomar decisões, diante da possível centralização de poder nas mãos de um presidente que negava a pandemia, desautorizava o fechamento do comércio, era a favor de aglomerações e incitava a população a desrespeitar o distanciamento social e até mesmo o uso de máscaras.

Mas Wilson não parece disposto a ser abatido politicamente sem lutar e o confronto parece que vai ficar cada vez pior. E nesse caso, confesso, não tenho a menor simpatia por nenhum dos lados. Meu único lado é das vidas que perdemos enquanto esses caras fazem política e brigam pelo poder. E que Deus me perdoe por dar risada enquanto eles caem na porrada.