Pacientes reclamam de “caos” no atendimento do 28 de Agosto

28 de agosto

As imagens foram feitas pelos próprios pacientes e enviadas ao Whatsapp do Radar para demonstrar superlotação no atendimento clinico do Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto, nesta terça-feira (20). Uma dessas pessoas se chama Afonso e está, segundo ele, desde às 14hs, a espera de atendimento médico. Ele conta que há cerca de 100 pessoas esperando atendimento. “Estou com muitas dores. Acho que deve ser algum problema renal porque minha urina está muito escura. Já reclamei que estou sentindo dor, mas me disseram que o único jeito é esperar. Mas, não sei se vou suportar porque tem umas vinte pessoas para serem atendidas na minha frente. Só têm dois clínicos gerais para esse monte de gente. Isso aqui é o caos, é humilhante e revoltante”, reclama Afonso.

Ele diz que para piorar a situação, as pessoas que já passaram a primeira vez pelo clínico geral e foram encaminhadas para exame, voltam para o retorno nos mesmos dois médicos, o que ainda retarda mais o atendimento dos pacientes que esperam para se consultar pela primeira vez. “Nos explicaram que o retorno é prioridade. Além do longo tempo de espera, quando chega a vez de uma pessoa fazer sua primeira consulta, passam alguém do retorno na frente. Nem observam se essa pessoa que está esperando está passando mal, sentindo muitas dores. Isso deveria ser levado em conta”, diz Afonso, acrescentando: “Que eu saiba essa unidade de saúde é um pronto socorro, então como diz o próprio nome deveria ter prontidão no atendimento e não esse monte de gente sem ser atendida”.(Any Margareth)

Resposta

O Radar entrou em contato com a assessoria de imprensa do Hospital e Pronto Socorro (HPS) 28 de Agosto que nos enviou explicação para os critérios de atendimento utilizados por aquela unidade de saúde. “O HPS 28 de Agosto é uma unidade de saúde de alta complexidade, com demanda diária expressiva, que adota o modelo de acolhimento dos pacientes com classificação de risco. Este modelo, uma ferramenta de utilização internacional que substitui o conceito de ordem de chegada e orienta o atendimento de maneira mais eficiente, priorizando os pacientes de maior gravidade e com risco de morte”, explicou, através de nota ao Radar a assessora de imprensa do 28 de Agosto, Valesca Martins.

Ela explica: “As pessoas reclamam porque veem uma pessoa aparentemente bem, de pé, falando normalmente, mas muitas vezes essa pessoa está enfartando. Esses são casos de maior risco que têm que ter atendimento prioritário”. Segundo a assessoria, a emergência da unidade de saúde tem, diariamente, cinco médicos clínicos. Importante destacar que 40%, em média, da demanda no serviço de urgência é de pacientes ambulatoriais que poderiam ter atendimento, também, em Unidades Básicas de Saúde e Policlínicas. “Mas, eles se deslocam para o HPS 28 de Agosto e jamais deixamos de dar acolhimentos aos pacientes”, afirma Valesca