Pacientes relatam demora e falha no atendimento do SPA Coroado (ver vídeo)

O Radar Amazônico esteve presente no SPA Coroado para monstrar a movimentação dos pacientes que buscam por atendimento médico

spa coroado atendimento

Foto: João Paulo Castro/Radar Amazônico

O Amazonas registrou, nos últimos dois meses, um crescimento no atendimento para síndromes gripais e Covid-19, principalmente na capital amazonense. Diariamente, o Radar Amazônico vem recebendo denúncias sobre a lotação nas unidades de saúde e muitas delas são reclamações na demora do atendimento.

A reportagem esteve presente na tarde desta segunda-feira (10) no Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do Coroado, localizado na avenida Beira Mar, zona Leste de Manaus. No local, foi possível constatar a presença de vários pacientes buscando atendimento médico para síndromes gripais, porém, sem sucesso.

Várias pessoas relataram que o atendimento está demorando e, segundo elas, tem apenas um médico para atender os pacientes. O industriário Michael Siqueira relatou que presenciou uma pessoa desmaiando na unidade de saúde.

“Já é o segundo dia que venho aqui procurando atendimento para o meu filho e não consigo. Tem gente desmaiando lá dentro e muitas pessoas na fila. Hoje com certeza tem apenas um médico, estou aqui desde 8h da manhã e ainda estou aqui na espera”, disse o industriário.

Um fato que chamou atenção do Radar, foi que após a chegada da reportagem, várias pessoas que estavam do lado de fora da unidade de saúde durante a transmissão ao vivo foram colocadas para dentro, como uma tentativa de acelerar o atendimento ou de mascarar a situação no SPA.

“Foi só vocês (Radar Amazônico) chegarem que colocaram as pessoas para dentro, senão, todos iam ficar aqui fora”, relatou um paciente à reportagem, que preferiu não se identificar.

A balconista Márcia Cristina Feitosa contou que desistiu de esperar o atendimento e fez reclamações ao SPA do Coroado. “Eu vou para outra unidade de saúde porque essa está lotada. Sinto tosse e falta de ar, assim como várias pessoas aqui. Ficamos do lado de fora e eles atendem os pacientes muito mal. Já vim várias vezes, inclusive, cheguei a desmaiar”, falou.

Paciente que chegou no SPA Coroado procurando atendimento — Foto: Geovani Leite/Radar Amazônico

Resposta

No local, o Radar Amazônico tentou conversar com a direção do SPA do Coroado para falar a respeito do atendimento para com os pacientes. Apesar da insistência, ninguém quis dar um retorno.

A reportagem também entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM) cobrando um posicionamento a respeito do caso. Em nota, a SES-AM informou que o SPA Coroado, por ser porta aberta, pode enfrentar eventuais picos de ocupação, “mas que possui, neste horário, três clínicos gerais, dois pediatras, técnicos de enfermagem e enfermeiros à disposição para atender à população, conforme a classificação de risco dos pacientes”.

“Ressaltamos que muitos pacientes estão sendo atendidos com sinais e sintomas sugestivos de síndromes gripais e necessitam de uma análise criteriosa no atendimento e no cuidado”, informou a secretaria.

Veja a nota da SES-AM na íntegra:

“A direção do Serviço de Pronto Atendimento (SPA) Coroado esclarece que a unidade, por ser porta aberta, pode enfrentar eventuais picos de ocupação, mas que possui, neste horário, três clínicos gerais, dois pediatras, técnicos de enfermagem e enfermeiros à disposição para atender à população, conforme a classificação de risco dos pacientes.

A unidade vem recebendo uma grande demanda de pacientes, alguns com perfil ambulatorial, que podem obter esse atendimento em uma Unidade Básica de Saúde (UBS).

Unidades como o SPA Coroado tem seu atendimento voltado, prioritariamente, para cuidados intermediários. Portando considerando o período de sazonalidade onde todas as unidades estão passando é comum ocorrer um tempo maior de espera devido ao aumento exponencial de pessoas em atendimento.

Ressaltamos que muitos pacientes estão sendo atendidos com sinais e sintomas sugestivos de síndromes gripais e necessitam de uma análise criteriosa no atendimento e no cuidado.”

Superlotação e casos de Influenza

A odisseia de vários pacientes na busca por atendimento médico vem sendo mostrada pelo Radar Amazônico desde dezembro de 2021. Um dos locais já visitados pela reportagem foi o SPA Alvorada, na zona Centro-Oeste de Manaus.

Na ocasião, a fila da triagem já estava do lado de fora da unidade. Segundo o diretor do SPA, Jorge Amorim, a maior parte dos pacientes estava com síndrome gripal e mais de 100 testes de Covid-19 foram feitos no dia 8 de dezembro.

O boletim epidemiológico da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP), divulgado na última sexta-feira (07), aponta que o Estado registrou, até o momento, 1.203 casos de Influenza A. Desses, 84% (1.007) são da linhagem H3N2.

A maioria dos casos foi registrada entre os dias 12 e 18 de dezembro de 2021, com redução nas semanas seguintes. 63% dos pacientes com Influenza A residem em Manaus, mas também foram registrados pacientes com a infecção de residentes no interior do Amazonas (19%) e de outros estados (3%).

Confira a live do Radar Amazônico