Pais de alunos denunciam colégio da Polícia Militar por cobrar R$ 2,5 mil para acesso às aulas remotas

Foto: Rafa Braga

Pais e responsáveis dos estudantes matriculados no Colégio Militar da Polícia Civil (CMP1) do Petrópolis, denunciaram ao Radar que estão sendo obrigados a comprar o material escolar pelo valor de R$ 2.500,00  imposto pela instituição para que os alunos tenham acesso às aulas remotas que irão iniciar no dia 18 de fevereiro.

A diretoria da escola fez uma publicação na internet informando que os dados do acesso da Plataforma SAS para as aulas remotas devem ser adquiridos na livraria do CMPM I. De acordo com informações repassadas pelos pais dos alunos o material custa R$ 2.500,00 e somente a partir da compra o aluno receberá um código para ter acesso ao sistema de aulas remotas.

Ainda segundo os pais dos alunos o material comprado no ano passado não foi utilizado e poderia ser aproveitado neste ano. “Eu acho que eles não pensaram de forma pedagógica eu acho que eles só estão vendo a questão das finanças da livraria que é onde eles têm o acordo com o sistema SAS. Muitos pais hoje devido a pandemia não tem condições de comprar”, disse o denunciante.

A medida deixa claro que a direção da escola não está considerando a crise econômica causada pela pandemia de Covid-19 no Amazonas e muitos pais agora temem que seus filhos fiquem sem estudar. Nos anos anteriores as famílias compartilhavam o material didático, mas agora se tornou impossível devido ao código de acesso único para a plataforma.

A reportagem do Radar entrou em contado com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) para pedir esclarecimentos a respeito da denúncia, que respondeu por meio de nota que a instituição é de gestão da Polícia Militar do Amazonas (PMAM) e qualquer prática relacionada à administração e gestão do corpo discente e docente deve ser consultada junto à corporação.

Apesar da Seduc ter se isentado da situação, todos os anos a pasta repassa de seu orçamento o pagamento da merenda, assim como também, pagamento dos salários dos professores da instituição.

A reportagem fez contato via e-mail com o CMPM1 e não obteve resposta. Na tarde desta sexta-feira (12) uma equipe do Radar foi até o colégio mas por lá também não havia ninguém para responder os questionamentos.

Confira a nota da Seduc na íntegra

A Secretaria de Estado de Educação e Desporto informa que a instituição é de gestão da Polícia Militar do Amazonas (PMAM) e qualquer prática relacionada à administração e gestão do corpo discente e docente deve ser consultada junto à corporação.

Para qualquer denúncia em relação ao assunto, pais e responsáveis podem utilizar o serviço da Ouvidoria da secretaria, que será o canal responsável pela apuração dos fatos.