Pais e alunos pedem expulsão de professor suspeito de assédio em escola de Manaus (ver vídeo)

Manifestação ocorreu na porta da Escola Estadual Hilda de Azevedo Tribuzzy, na Cidade Nova, zona Norte

Foto: Radar Amazônico

Com cartazes nas mãos, pais e responsáveis de alunos se reuniram, nesta segunda-feira (18), em frente à Escola Estadual Hilda Tribuzzy, na Cidade Nova, zona Norte, para pedir a expulsão de um professor de educação física que estaria, supostamente, agredindo e assediando alunas dento da unidade de ensino.

De acordo com os familiares, desde o ano passada já haviam denúncias informando sobre os abusos sofridos por alunas tanto do turno matutino como vespertino. Em conversa com o Radar Amazônico, aos prantos, a tia de uma das vítimas informou que durante as aulas, o professor teria supostamente encostado as partes íntimas nas costas da da sobrinha que tem 12 anos.

Após a manifestação, o diretor da escola os chamou para uma conversa dentro da unidade de ensino. Os pais e alunas pediram para que o professor não pudesse mais lecionar na unidade. “Nós só queremos que isso seja resolvido e que ele seja afastado do cargo de professor”. disse uma das alunas que não quis se identificar.

Em outra ocasião, o professor teria agredido fisicamente a aluna com boladas e até mesmo a derrubado em um dos corredores da escola enquanto ela caminhava na hora do intervalo.

O caso

De acordo com os pais, a situação veio à tona após uma das alunas ter uma forte crise de choro e ansiedade e informar que estaria sendo assediada pelo educador. Na ocasião, outras vítimas afirmaram que também estavam sendo assediadas.

As denúncias foram formalizadas na Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) e o Radar Amazônico entrou em contato com a Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc) para mais informações sobre o caso e quais medidas seriam tomadas, mas até a publicação desta matéria, não houve retorno.