Palácio de Buckingham prefere não comentar revelação ‘profundamente pessoal’ de Meghan

Foto: Null

Meghan Markle, a duquesa de Sussex, 39, revelou nesta quarta-feira (25) em um artigo escrito por ela e publicado no jornal New York Times que sofreu um aborto espontâneo em julho. Ela é casada desde 2018 com o príncipe Harry, duque de Sussex.

Sobre a revelação, o Palácio de Buckingham informou que era “um assunto profundamente pessoal” e que não iria comentar, de acordo com a agência Reuters. Separadamente, uma fonte do palácio disse que havia uma tristeza compreensível na família real sobre a revelação feita pela esposa do príncipe Harry.

Definindo-se como “mãe, feminista e defensora” na assinatura do texto, Meghan Markle conta que, em uma manhã de julho, depois de trocar as fraldas de seu filho, Archie, 1, sentiu fortes cólicas, caiu no chão com a criança no colo e ficou cantando uma música de ninar para tentar manter os dois calmos. “Eu sabia, enquanto segurava meu primeiro filho, que estava perdendo meu segundo”, escreveu.

Meghan conta que, horas depois, estava deitada em uma cama de hospital, segurando e beijando a mão de seu marido, molhada com as lágrimas dos dois. “Imaginava como nos dois nos recuperaríamos.”

No texto, intitulado “The losses we share” (As perdas que compartilhamos), ela diz que a perda de um filho carrega uma mágoa quase insuportável, vivida por muitos mas falada por poucos. E que ela e o marido descobriram que, de cada cem mulheres, de 10 a 20 terão sofrido um aborto. “Apesar de isso ser surpreendentemente comum, a conversa continua sendo um tabu.”

Ela diz ainda que algumas pessoas compartilharam suas histórias de forma corajosa, sabendo que, quando uma pessoa fala a verdade, isso dá permissão para que outras façam o mesmo.

Em outubro, Meghan conseguiu que o julgamento de seu processo de violação de privacidade contra um tabloide do Reino Unido fosse adiado em cerca de nove meses. A decisão aconteceu após o juiz ouvir um argumento confidencial de seus advogados para justificar a prorrogação.

A duquesa de Sussex está processando a Associated Newspapers por causa de artigos do Mail on Sunday que incluíram partes de uma carta manuscrita que ela enviou ao pai, Thomas Markle, em agosto de 2018. Um julgamento deveria começar em Londres em janeiro.

O juiz Mark Warby disse que concedeu o adiamento depois que a equipe de Meghan deu uma “justificativa confidencial” para tanto. Atualmente, Meghan e Harry moram em Los Angeles com o filho pequeno, Archie, tendo abdicado de suas funções reais no final de março.