Papai Noel Bolsonaro dá perdão natalino a policiais condenados

Toda violência é praticada por um covarde, mas a violência praticada por um policial é multiplamente covarde, já que se respalda num distintivo, numa farda, numa arma e na figura da autoridade. Mas o presidente do Brasil, Messias Bolsonaro, parece achar que a violência policial contra civis, pobres, negros, jovens e favelados, tudo isso junto ou separado, é totalmente justificável, já que ele pretender dar a policiais condenados o chamado indulto de Natal, ou seja, o perdão para os crimes cometidos, mas que “foram sem intenção”.

Afinal, a bala que saiu do revólver de um policial e acertou uma criança, foi sem intenção. E a polícia que crivou o carro de um homem de balas e o matou ao confundi-lo com um bandido fez isso sem querer. E não houve intenção de matar quando policiais causaram um tumulto que provocou a morte de 9 jovens num baile funk. Bolsonaro esbraveja, mas não é contra a morte desses cidadãos, mas sim do que ele denomina de “criminalização do trabalho dos policiais”.

Para gente como Bolsonaro, que se acha de uma raça superior, essa gente que é espancada, torturada e morta na mão da polícia tem o nome de “vagabundo” e os policiais nada mais estão fazendo do que cumprindo “uma missão”.

E eu fico cá com meus botões pensando em como essa polícia trataria Jesus, o filho do carpinteiro, o homem pobre que se acompanhava de mulheres adulteras, leprosos, mendigos, os enjeitados e desvalidos. Será que não seria o mesmo que ser jovem preto e favelado num baile funk? E será que esses mesmos que viviam as margens da sociedade daquela época não são os mesmos chamados de “vagabundos” por Bolsonaro – ainda mais que Cristo usava barba e cabelo grande.

Diz o Messias Bolsonaro sobre policiais condenados: “Policial que tá preso ai por abuso porque dá dois tiros num vagabundo de madrugada, ele deu três, aí foi preso por abuso. Abuso é por parte de quem o prendeu, no meu entender, não por parte dele que tava cumprindo sua missão de madrugada”.

Essa é a visão simplória de um presidente pra quem não adianta dizer que estudos da pesquisadora Samira Bueno, diretora executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, mostram que a polícia brasileira mata mais do quem outros países. E o mais terrível é que mata mais negros e jovens! Bolsonaro vai dizer o que sempre diz quando dados científicos vão contra suas teorias tresloucadas. Vai dizer que os dados da pesquisa são mentirosos e que não existem.

E a polícia do Brasil vai continuar matando cada vez mais quando o próprio presidente do País, Messias Bolsonaro, parece dar, de forma velada, uma autorização para matar “sem querer”. Mas nada é de se estranhar de Bolsonaro, um homem cuja família dá medalhas a milicianos acusados de extorsão, grilagens de terra e até homicídios.

Esses são os heróis para Bolsonaro, enquanto meninos negros e pobres são os bandidos. De que lado você acha que Jesus estaria?