Anúncio Advertisement

Paulistão: jovens do São Paulo encaram ‘cascudo’ Palmeiras na semi

São Paulo e Palmeiras apostam em gerações bem diferentes para a primeira partida da semifinal do Campeonato Paulista, às 18 horas deste sábado, no estádio do Morumbi. Se no lado tricolor os garotos formados nas categorias de base em Cotia estão em alta e ajudaram o time a superar um início ruim de temporada, do outro pesa a experiência de veteranos acostumados a grandes decisões.

O time do Morumbi promoveu no Estadual alguns garotos da base e encontrou nos últimos jogos nomes como Luan (19 anos), Igor Gomes (20) e Antony (19) como uma forma de mudar a dinâmica de jogar do time. Sem contar Liziero, de 21 anos, que já vinham atuando no time. A eliminação precoce na Copa Libertadores pesou bastante nessa mudança.

A avaliação foi que o São Paulo precisava ter uma equipe mais intensa, que corresse, se desdobrasse em campo. Foi assim que os volantes Luan e Liziero ganharam espaço e têm se mostrado fundamentais para o time. A velocidade de Antony pela direita e a mobilidade de Igor Gomes no meio também ajudaram a equipe a evoluir.

“Acho que esses atletas acabaram entendendo o momento do São Paulo e aquilo que eu pedia como estilo de jogo. Eu achava que o São Paulo demorava muito na transição. Tinha bola tocada muito lateralmente para ter posse. Não estou aqui para dizer o que é certo ou errado. Meu gosto de futebol é um pouco mais objetivo”, explicou o técnico Vagner Mancini.

O treinador são-paulino elogia a forma como a equipe passou a jogar, com velocidade, transição rápida para o ataque e muita luta pela bola. Ele considerou que as duas partidas contra o Ituano, vitórias por 2 a 1 e 1 a 0, foram vistosas, e espera que o time continue correspondendo. Mancini lembra que as cobranças foram fortes e o grupo, incluindo os jovens, estão revertendo a pressão.

Agora, ele espera uma partida bem complicada contra um adversário que é quase o oposto. “É importante salientar que, do outro lado, em um clássico de semifinal, tem um rival de peso. Somos uma equipe que vai se maturar mais ainda e dentro do jogo cada um responde de uma forma. Espero que mantenham o que vimos nos dois últimos confrontos.”

Do outro lado, o Palmeiras confia em nomes experientes e rodados para este duelo. A começar pelo treinador, Luiz Felipe Scolari, de 70 anos, especialista em confrontos eliminatórios e dono de 22 títulos em torneios mata-mata.

O time só tem titulares acima de 25 anos, como Felipe Melo (35 anos), Bruno Henrique (29) e Ricardo Goulart (27). Dez atletas do elenco já defenderam seleções, dois disputaram Copas do Mundo e mesmo que entre um ou outro reserva no jogo, a qualidade quase não muda.

A diretoria montou o elenco justamente com o intuito de encontrar jogadores experientes e calejados em decisões. O time espera comprovar essa capacidade nas próximas semanas, quando terá pela frente clássicos decisivos pelo Paulista e compromissos pela fase de grupos da Copa Libertadores.

Mesmo com a briga antiga nos bastidores entre o clube a Federação Paulista de Futebol (FPF), o elenco se preparou para o clássico com seriedade. Os treinos fechados e entrevistas em tom de respeito ao rival demonstraram que o Palmeiras tem tratado o compromisso como relevância.

“Sou do interior (de São Paulo). Este é um clássico que eu acompanho desde criança. É uma honra participar de um clássico dessa importância. A gente respeita muito o adversário”, comentou o meia Gustavo Scarpa.