Pelo terceiro dia consecutivo, população protesta e não permite instalação do novo sistema de medição da Amazonas Energia

Segundo os manifestantes, após troca dos medidores de energia, as contas faturadas pela concessionária mais que triplicaram de valor

Imagens: Reprodução

Pelo terceiro dia consecutivo,  moradores do conjunto Canaranas, na Cidade Nova, na zona Norte de Manaus, fazem protesto na tentativa de impedir que a empresa Amazonas Energia instale os novos medidores. Segundo os manifestantes, o Sistema de Medição Centralizada (SMC) faz uma leitura errônea do consumo e clientes que pagavam algo em torno de R$ 300 pelo consumo foram surpreendidos com o salto nas faturas que aumentaram para mais de R$ 1 mil. Outras residências populares receberam faturas com valores superiores a R$ 2 mil.

Nesta sexta-feira (21), carros com funcionários e material da empresa terceirizada, que prestam o serviço para a concessionária Amazonas Energia  foram obrigados a voltarem para suas bases, pois a população não aceitou que o serviço fosse realizado em suas ruas.

Imagens: Reprodução

Indignados com os altos valores cobrados nas contas, e ainda com os cortes de energia em casas em que o atraso no pagamento da fatura não fez nem 30 dias, a população revoltada protestou em um ato pacífico. Mas, apesar disso, rechaçaram os trabalhadores e os expulsaram do local, até mesmo retirando seus cones e colocando no caminhão.

Ao Radar, que acompanha o clamor da população desde o primeiro dia de manifestação, a Amazonas Energia justificou que “o Sistema de Medição Centralizada (SMC) é uma das maiores inovações e tecnologia já produzida para o sistema elétrico. Ele traz mais qualidade, segurança e transparência aos serviços de leitura e medição do consumo de energia. E que parte dos bairros Cidade Nova, Colônia Santo Antônio, Nova Cidade, Parque Dez, Riacho Doce e Bairro da União já foram “beneficiados” com o serviço.

Manifestante soltando rojão perto dos caminhões da Concessionária

Ontem, o presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), deputado Roberto Cidade (PV), frisou que o cliente precisa ser notificado previamente acerca da troca do medidor de energia elétrica.

O Radar perguntou à Defensoria Pública do Estado sobre qual medida está sendo realizada para o caso, visto que está prejudicando os consumidores, que disse por meio de nota que o caso está sendo acompanhado pelo Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecom), que avaliará as medidas pertinentes.

O Radar ainda aguarda respostas do  Ministério Público.