Pesquisa busca identificar impactos da variante P1 nos números de casos da Covid-19 no Amazonas

Foto: Divulgação

Em torno de 2 mil amostras de pessoas infectadas pelo novo coronavírus estão sendo investigadas pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), em parceria com a Fiocruz Amazônia, para verificar se a variante P1, identificada no estado, tem relação com os altos números de casos e mortes pela Covid-19 em janeiro deste ano. As amostras serão examinadas por método de diagnóstico do tipo RT-PCR específicos para identificação dessa variante.

O assessor da Sala de Situação do Amazonas, Daniel Barros, detalhou que, com a análise das amostras, será possível verificar o impacto da variante P1 no aumento repentino de casos, de internações e óbitos por covid-19 nos últimos dois meses. “A investigação vai gerar evidências científicas que possibilitarão elucidar o potencial de agravamento dos casos causados pela P1, a partir da comparação dos infectados com a selvagem, que é a variante original”, detalhou.

O virologista e pesquisador da Fiocruz Amazônia, Felipe Naveca, destacou que a metodologia usada no estudo possibilita agilidade na identificação das amostras. “Com esse ensaio de detecção de variante P1, vamos conseguir aumentar muito a velocidade de identificação dessas amostras, uma agilidade necessária no momento”, afirmou.

De acordo com o diretor-presidente da FVS-AM em exercício, Cristiano Fernandes, o estudo conta com a colaboração da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS) e do Ministério da Saúde. “Essa parceria reúne um conjunto de profissionais que vão estabelecer a metodologia de amostragem e coleta de dados necessários para o desenvolvimento do estudo”, afirmou.

A FVS-AM confirmou, até o último dia 15, três casos de reinfecção pelo novo coronavírus. A análise das amostras dos pacientes apontou a presença da variante P1 nos três casos. Os casos de reinfecção foram confirmados, por sequenciamento genético, realizado pela Fiocruz Amazônia, e seguem protocolo do Ministério da Saúde para identificação de casos de reinfecção.

Fonte: Blog do Mário Adolfo