Pesquisa “Cultura nas Capitais” será apresentada nesta segunda no Palacete Provincial

Nesta segunda-feira (20), será apresentada em Manaus a pesquisa “Cultura nas Capitais”, da JLeiva Cultura & Esporte, divulgada nacionalmente no último dia 24 de julho.

O evento que é gratuito acontece no Palacete Provincial, Centro. As inscrições para participar podem ser feitas por meio de formulário online.

A programação do seminário começa às 9h e contará com as mesas-redondas “Hábitos culturais: acesso e exclusão”, às 9h30, e “Música, festas populares e equipamentos culturais”, às 11h30.

Entre os participantes das mesas, estão João Leiva, representante da JLeiva Cultura & Esporte; Ricardo Meirelles, da PrimaPágina; Flávia Furtado, da Vlaanderen Produções Culturais; Inês Daou, da Iaí Promoções; o poeta e músico Celdo Braga, do Grupo Ibaúba e Conselho Municipal de Cultura; a artista plástica Rosa dos Anjos; e Tiago Sena.

A pesquisa apresenta um detalhamento inédito sobre a relação da população de 12 capitais brasileiras – Belém, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Luís e São Paulo – com a cultura em sua cidade, em um universo de mais de 33 milhões de brasileiros (considerando apenas indivíduos com 12 anos ou mais), segundo o IBGE.

A pesquisa “Cultura nas Capitais” é uma realização da JLeiva Cultura & Esporte, responsável pela concepção do estudo e análise dos dados, com participação do Datafolha, que esteve a cargo da montagem da amostra, levantamento de campo, processamento das informações e de análise dos dados. A apuração ouviu 606 moradores da capital, de 14 de junho a 27 de julho de 2017, a respeito de suas práticas culturais ao longo dos 12 meses anteriores.

Índices

Entre os eventos e danças populares, destacam-se as festas do boi, que, juntas, somam 17% – se for somado o Festival de Parintins, o índice chega a 27%. Destes, a mais citada foi a festa do boi-bumbá (11%). O carnaval também foi lembrado por faixa expressiva dos moradores: 12%.

Na análise geral do estudo, a capital amazonense obteve um dos piores índices de participação em quase todas as atividades culturais. É, por exemplo, a que menos frequenta shows (37%, nove pontos abaixo da média geral) e teatros (23%, oito pontos a menos que média); a segunda que menos vai a bibliotecas e a terceira que menos vai a museus.

A dependência de eventos gratuitos para frequência em eventos culturais, respondida por 45% dos entrevistados, foi outro fator sobre a população local apontado pela pesquisa. É a segunda capital com maior índice neste quesito, atrás apenas de Fortaleza.

Espaços mais frequentados

Outro tópico abordado pelo estudo foram os espaços culturais mais conhecidos e frequentados. O Teatro Amazonas é o ponto mais conhecido pela população local (99% afirmaram conhecê-lo). No entanto, é o segundo em frequência (70%), atrás do Anfiteatro da Ponta Negra (81%). Também foram mencionados, em ordem regressiva: o Bosque da Ciência (62%), o Centro Cultural dos Povos da Amazônia (58%), o Museu da Amazônia (29%), o Palacete Provincial (24%) e o Museu do Seringal Vila Paraíso (8%).

Livro e plataforma digital interativa

Os dados detalhados e as principais conclusões da pesquisa estão compilados na publicação “Cultura nas Capitais: como 33 milhões de brasileiros consomem diversão e arte”, lançado no final de julho. O livro contém 180 infográficos e análises assinadas por especialistas de 15 temas abrangidos pelo estudo: Tempo livre, Acesso e Prática, Educação, Renda, Gênero, Idade, Religião, Cor da Pele, Cultura e Tecnologia, Música, Artes Visuais, Artes Cênicas, Audiovisual, Políticas Públicas e Cidades.

Todas essas informações estão também disponíveis para acesso público e gratuito no site oficial da pesquisa. A plataforma interativa permitirá ainda o cruzamento livre de dados compilados, servindo como importante ferramenta de análise para o usuário.

Com informações da assessoria