Pesquisa liga dieta gordurosa da mãe a descontrole de apetite do filho

rato-estudoUm estudo feito na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) sugere que o excesso de gordura na alimentação da mãe antes e durante a gravidez e no período de amamentação pode levar a falhas no controle do apetite dos filhos durante a infância e a vida adulta. O trabalho, feito com ratos, foi apresentado na semana passada, na XXIX Reunião Anual da Federação de Sociedades de Biologia Experimental (FeSBE), em Caxambu, Minas Gerais.

O objetivo do estudo, de acordo com a pesquisadora Juliana Gastão Franco, foi analisar o efeito da dieta com excesso de gordura feita pela mãe na atividade da leptina, hormônio responsável pelo controle do apetite, nos filhotes. O resultado foi que os filhotes apresentaram falha na leptina não só durante a fase da lactação, mas durante a fase adulta, o que fez com que permanecessem obesos ao longo de toda a vida.

O experimento foi feito da seguinte forma: os pesquisadores colocaram um grupo de ratas para comer a dieta com excesso de gordura durante oito semanas. Outro grupo fez uma dieta padrão durante o mesmo período, para efeito de comparação. As duas dietas tinham a mesma quantidade de calorias. O que mudou foi a porcentagem de lipídios: na dieta gordurosa, 29% das calorias eram provenientes de gordura.

Leite gorduroso

Depois de oito semanas, as ratas acasalaram e continuaram seguindo a mesma dieta ao longo da gestação e da amamentação. Foi constatado que o leite dessas ratas continha mais calorias e mais gordura, o que provocou uma obesidade precoce nos filhotes. Essa obesidade precoce levou a uma falha na ação da leptina nos filhotes. Apesar de produzirem muita leptina, eles desenvolveram uma resistência ao hormônio, o que levou os animais a comerem cada vez mais.

O efeito não se limitou à fase de amamentação. “Quando adultos, eles permanecem obesos e com falha da ação da leptina, um hormônio muito importante no controle do apetite e do metabolismo. Os filhotes foram acompanhados até 180 dias de idade. Comparando com os humanos, é como se fosse um adulto de idade média”, diz Juliana.

Ela acrescenta que esses resultados, obtidos em ratos, estão perto de representar o que ocorreria em seres humanos. Estudos anteriores em humanos inclusive já demonstraram que filhos de mães obesas têm mais risco de se tornarem obesos, desenvolverem doenças cardiovasculares, diabetes, alterações comportamentais, entre outros problemas. Porém isso também pode estar relacionado aos hábitos culturais e alimentares das famílias.

Para Juliana, que é nutricionista, a obesidade nas mães é um problema de saúde pública importante. “Sempre me interessei pela obesidade infantil. Me chamou atenção o aumento da obesidade em mulheres na idade reprodutiva e o percentual de crianças obesas.” Ela observa que esses resultados demonstram a importância de uma orientação nutricional adequada a gestantes e a mulheres em idade reprodutiva que considerem ter filhos.

Fonte: G1