Petrobrás reduziu preço da gasolina nas refinarias, mas postos reajustaram preços em Manaus

Mesmo com o valor da gasolina diminuindo 1% nas refinarias, os postos de gasolina de Manaus aumentaram o preço que em média custava R$ 3,69 para R$ 4,35 na madrugada dessa quarta-feira (3). O aumento revoltou os consumidores e alguns postos de gasolina perderam drasticamente o fluxo de clientes.

O funcionário público estadual, Jair Sampaio, afirmou que considera um absurdo o aumento dos combustíveis. Segundo ele, o consumidor sempre é o mais prejudicado. Ele afirmou não entender o motivo para a grande variação nos preços. O consumidor disse, ainda, que não vê motivo para aumento no preço da gasolina na bomba, no mesmo dia que o preço diminuiu nas refinarias.

“É uma falta de respeito muito grande com os brasileiros. Estamos em uma época de crise onde pagamos pelos desmandos do Governo. Infelizmente pagamos um preço alto só para se locomover. Os impostos são absurdamente altos e estamos todo o tempo pagando a conta”, afirmou ao ressaltar que no bairro Cidade Nova, na zona Norte, onde ele mora, a gasolina está custando R$ 4,49.

O microempresário Edson Damasceno, disse estar prejudicado com o aumento repentino da gasolina. “É um grande absurdo. Não divulgaram esse aumento do dia para a noite. Eu dependo do combustível e do meu carro para trabalhar. Ano passado aumentaram umas dez vezes o preço e isso só vem prejudicando que dependo do veículo, como eu” afirmou.

Revoltada a administradora Amanda Soares, lamentou o aumento e disse que não acredita em uma melhora na economia brasileira. “O aumento é péssimo. Como pode na fronteira a gasolina custar centavos e aqui é esse absurdo? Não tem jeito o Brasil se a situação continuar assim”, reclamou.

Postos vazios

A equipe do Radar passou por alguns postos em Manaus e viu que na maioria deles o fluxo de clientes caiu. O chefe de pista do posto São João, na cachoeirinha, Fernando Araújo, afirmou que a queda de clientela foi de 65% por causa do aumento, no entanto, ele ressaltou que os preços não podem baixar, pois, o posto não terá lucro. Nesse posto a gasolina comum está custando R$ 4,35.

“Muita gente reclamou do preço, mas foram obrigados a abastecer porque em todo lugar está caro. Geralmente o posto é muito movimentado e hoje está assim (vazio). O problema é que se vendermos barato não tiramos nada”, disse.

Outro posto, também com o preço da gasolina comum custando R$ 3,45, e que estava com o movimento fraco, era o Posto BR, na avenida Silves, no bairro Raiz. O chefe de pista, Sebastião Hélio Silva, disse que os consumidores não estão mais surpresos com os aumentos repentinos, pois, já estão acostumados. “O movimento está devagar, mas temos os clientes que são fiéis aqui no posto por confiar na qualidade da gasolina que vendemos, independente do preço”, comentou.

Com o preço mais baixo que os demais – R$ 3,89 comum – o posto Shell, no bairro Japiim, tinha um fluxo melhor de clientes. De acordo com o gerente, Roberto Bortolli, o preço mais em conta é uma tentativa de ganhar espaço no mercado. “Estou cercado por outros postos então eu perco um pouco no valor, mas ganho no volume de clientes”, ponderou.

Segundo ele a margem de lucro é pequena e corresponde na maioria das vezes a R$ 0,15 por litro. “A culpa não é dos donos de postos e nem das refinarias. O preço sobre no mercado mundial e estamos seguindo isso. Mas, às vezes, toda essa variação engana o consumidor, e parece que nós estamos subindo o preço sem motivo. Geralmente a gasolina sobe o preço em 10% e quando diminuiu é só 2% de queda”, explicou.