Pfizer vai entregar 2,4 milhões de doses de vacina até quinta-feira (3)

A vacina da Pfizer, primeira a obter registro, já está sendo aplicada no Brasil REUTERS/DADO RUVIC-09/02/2021

A vacina da Pfizer, primeira a obter registro, já está sendo aplicada no Brasil
REUTERS/DADO RUVIC-09/02/2021

Pfizer divulgou, nesta segunda-feira (31), que fará três entregas da vacina contra a covid-19 ao Ministério da Saúde esta semana, totalizando 2,4 milhões de doses.

A previsão é que a primeira entrega, de 936 mil doses, seja realizada na terça (1º) e na quarta-feira (2); e a segunda, de 527 mil doses, deve ocorrer na quinta-feira (3). Todas as entregas serão recebidas no Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP).

A entrega faz parte de um acordo firmado em 19 de março que prevê a disponibilização de 100 milhões de vacinas ao país até o final do terceiro trimestre deste ano. “Somadas aos lotes anteriores, mais de 5,8 milhões de doses foram entregues”, aponta a Pfizer. As vacinas são provenientes da fábrica da Pfizer de Kalamazoo, nos Estados Unidos.

A primeira entrega foi realizada no dia 29 de abril com 1 milhão de doses; a segunda em 5 de maio, com 628.290, e a terceira no dia 12, ambém com 628.290 doses. A quarta entrega foi no dia 19, com 629.460 doses. A quinta entrega, com 629.460, ocorreu na última quarta-feira (26).

A estimativa é que 200 milhões de doses sejam entregues este ano, o que permitirá a vacinação de 100 milhões de brasileiros, já que o imunizante requer duas doses – no país, está sendo aplicado com intervalo de três meses.

A vacina da Pfizer foi a primeira a obter o registro definitivo da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e já está sendo aplicada no país.

Segundo um estudo do Instituto Pasteur de Paris, divulgado no sábado (29), o imunizante produz anticorpos capazes de neutralizar a variante indiana, embora sua eficácia seja um pouco menor. A eficácia da vacina é de mais de 95% contra infecção, internação e morte por covid-19, segundo estudo recente publicado no periódico médico Lancet.

Um estudo japonês demonstrou que a vacina também protege contra as variantes do Reino Unido, África do Sul e brasileira, consideradas preocupantes pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Na sexta-feira (28), a Anvisa autorizou novas condições de conservação e armazenamento para a vacina, ampliando de 5 para 31 dias o período de armazenamento em geladeira entre 2ºC e 8ºC. A medida facilta o uso do imunizante, que exige temperaturas abaixo de -60°C para se manter estável por mais tempo.