PL criada pela CPI da Saúde é retirada de pauta na Aleam; deputados acreditam em manobra política

 

Foi retirado da pauta de votação da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), nesta quarta-feira (21), o Projeto de Lei (PL) que proíbe secretários de Estado de contratarem empresas de parentes para fornecer produtos e serviços ao Estado. O PL foi criado pelos deputados que integraram a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde e foi aprovado em plenário, inclusive com votos de membros da bancada governista. Mas, o governador Wilson Lima decidiu dar veto total ao projeto.

Muitos parlamentares ficaram surpresos com retirada do item da pauta de votação e demonstraram acreditar que esta atitude pode ser uma estratégia para “empurrar com a barriga” a votação do veto até que consigam desviara atenção da imprensa e da popuação. Para o deputado deputado Dermilson Chagas, a atitude foi uma manobra política. “Eu nem sei se isso vai ser colocado em pauta na próxima semana o que nós estamos vendo é que isso é uma manobra”, disse Dermilson Chagas .

Para o deputado Péricles, membro da CPI da Saúde a aprovação deste PL é extrema importância para evitar que empresas de pessoas ligadas ao governo sejam privilegiadas.

“Esse PL proíbe a contratação de empresa de familiares de servidores do Estado, para evitar de acontecer situações como no caso da ex-secretária de comunicação Daniela Assayag, onde descobrimos que seu marido era dono da empresa Sonoar responsável por fornecer respiradores pulmonares superfaturados ao governo” disse Péricles.

A expectativa é que a votação seja realizada na próxima semana.