Placa em homenagem a Marielle Franco é inaugurada em Buenos Aires, na estação Rio de Janeiro

Legisladores da cidade de Buenos Aires e brasileiros migrantes estiveram presentes na inauguração da placa de Marielle Franco. Foto: Cristian Acuña

Placa em homenagem a Marielle Franco foi inaugurada em Buenos Aires na tarde desta terça-feira, na estação de metrô Rio de Janeiro, no bairro de Caballito. De forma simbólica, o ato ocorre em um dia 14, dia em que se cumprem 3 anos e 6 meses do assassinato da vereadora carioca pelo Psol.

A inauguração foi realizada por integrantes do coletivo Passarinho, composto por brasileiros progressistas no país, e a deputada Maru Bieli (Frente de Todos – FdT), autora do projeto de lei para instalação da placa.

Flores amarelas e bandeiras LGBT foram colocadas em frente à placa, e a cantora Shirlene de Oliveira musicou o ato de inauguração interpretando a canção “Se essa rua fosse minha”, em espanhol e português.

Militante e integrante do coletivo Passarinho, Danielle Santana destacou, emocionada, ter conhecido a vereadora. “Marielle Franco é símbolo de uma longa tradição de mulheres negras que lutaram e resistiram no Brasil e em toda América Latina. Fazer homenagens a essas mulheres é garantir que lembraremos de suas lutas por muitos anos, é garantir o direito à memória.”

E completou: “É dizer que seremos resistência, que Marielle é semente e vive em cada uma de nós que reivindicamos e levamos sua luta adiante”, concluiu.

“A partir de hoje, sua história irrompe em nossas viagens cotidianas no metrô da cidade”, expressou a deputada Bieli. “É um exercício de memória feminista que surge das redes construídas entre os povos.”

“Aqui e lá, seguiremos pedindo justiça e construindo uma pátria grande onde caibamos todes”, completou a deputada.

Também estiveram presentes no evento Beto Pianelli, Secretário Geral da Asociação Gremial dos Trabalhadores do Metrô, a legisladora Laura Velasco (FdT) e os candidatos a legisladores portenhos Matías Gallastegui e Paula Arraigada (FdT).

A placa havia sido aprovada no mês de março, mas não pôde ser instalada até então devido à interdição da estação da linha A durante a pandemia.