Poeta amazonense Thiago de Mello morre aos 95 anos

Natural de Barreirinha, no interior do Amazonas, Thiago de Mello teve suas obras traduzidas para mais de 30 idiomas

O poeta amazonense Thiago de Mello. — Foto: André Argolo/Divulgação

O poeta amazonense Thiago de Mello morreu nesta sexta-feira (14), aos 95 anos. A informação foi confirmada pelos familiares e pessoas próximas ao artista.

Ele estava dormindo em casa, em Manaus, quando faleceu. Entretanto, a causa da morte não foi divulgada.

Amadeu Thiago de Mello é natural de Porantim do Bom Socorro, em Barreirinha, distante a 330 quilômetros de Manaus. Ele é considerado um dos poetas mais influentes e respeitados do Brasil.

Uma de suas obras literárias mais famosas é o livro ‘Os Estatutos do homem’, divulgado pela Unesco, em 1982. O seu artigo primeiro dizia: “Fica decretado que agora vale a verdade/ agora vale a vida,  e de mãos dadas, marcharemos todos pela vida verdadeira”.  A sua publicação mais recente, o livro ‘Acerto de Contas’, editado pela Global Editora, foi publicado em 2015.

As obras de Thiago de Mello foram traduzidas para mais de 30 idiomas. Em 2006, durante homenagem aos seus 80 anos, foi lançado o CD comemorativo “A Criação do Mundo”, contendo poemas que o autor produziu nos últimos 56 anos, declamados pelo próprio poeta e musicados por seu irmão mais novo, Gaudêncio.

Em setembro de 2021, a 34º Bienal de São Paulo homenageou Thiago de Mello. O tema daquela edição era “Faz escuro mas eu canto”, verso escrito pelo poeta amazonense no poema ‘Madrugada Camponesa’, de 1965.

O velório do poeta será realizado no Palácio Rio Negro, localizado na avenida Sete de Setembro, bairro Centro, zona Sul de Manaus, com horário a ser definido.