Polícia cumpre cinco mandados de prisão durante a deflagração da operação “Sustentáculo” na capital

OPERAÇÃO SUSTENTACULO (1) capa

OPERAÇÃO SUSTENTACULO delegadaA Polícia Civil do Amazonas, representada pela delegada titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), Juliana Tuma, falou durante coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira, dia 5, no prédio da Delegacia Geral, sobre o balanço da operação “Sustentáculo”, deflagrada na tarde de ontem, dia 4, às 17h, e teve por objetivo o cumprimento de cinco mandados de prisão em nome de pessoas já sentenciadas pela Justiça por crimes sexuais praticados contra o público infanto juvenil.

De acordo com a autoridade policial, cinco homens foram presos em bairros distintos da cidade. São eles: o gari Rondinely Carmo da Silva, 38; o operador de máquinas Paulinho Torres da Silva, 50; o taxista Egil Estávora Campos de Leão, 43; e os aposentados Ágno Carvalho, 72, e Antônio Mota da Cunha, 44.

Conforme Juliana Tuma, as prisões ocorrem em cumprimento a mandados de prisão preventiva, expedidos em maio deste ano, pela juíza Patrícia Chacon de Oliveira Loureiro, da Vara Especializada em Crimes contra a Dignidade Sexual de Crianças e Adolescentes. A delegada enfatizou, ainda, que a operação recebeu o nome de “Sustentáculo” por ter o intuito de apoiar e proteger as vítimas.

“As prisões tiveram início na tarde de ontem, por volta das 17h.  Ágno foi preso no bairro da Compensa, zona Oeste. Já Egil foi interceptado no loteamento Parque São Pedro, também na zona Oeste. Na manhã de hoje, por volta das 9h, cumprimos os mandados em nome de Rondinely no bairro Colônia Antônio Aleixo, zona Leste, e de Paulinho, no bairro Santo Antônio, zona Oeste. Encerramos a ação com a prisão de Antônio no bairro Redenção, zona Centro-Oeste”, explicou a titular da Depca.

Juliana Tuma afirmou que o foco da operação foi cumprir decisão judicial imposta aos infratores, que nesse caso é a reclusão pelos crimes que já foram julgados. “Todos os mandados são de sentença penal condenatória e irreversível. Existem outros mandados a serem cumpridos. Daremos continuidade a esse tipo de ação com o intuito de atender o que é determinado pela Justiça”, declarou.

Após a realização dos procedimentos cabíveis, Ágno, Antônio, Egil, Paulinho e Rondinely foram encaminhados à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, onde irão permanecer à disposição da Justiça.

FOTOS: Erlon Rodrigues / Assessoria de Imprensa da PC-AM