Polícia faz reconstituição da morte de Rayane, de 3 anos; madrasta jogou crânio da criança em outro local

Assasina Enteada reconstituição 1 capa

Uma informação dada, na manhã desta quarta-feira (27), pelo delegado de Homicídios e Sequestros, Ivo Martins, durante a reconstituição da morte da menina Rayane Lopes, de 3 anos, chocou a todos. A madrasta de Rayane, Ericka Benevides Lopes, 19 anos, suspeita de ter assassinado a criança e jogado o copo em uma matagal, voltou ao local dias depois e separou o crânio da menina do corpo, jogando-o em outro local. A morte de Rayane teria ocorrido na residência onde ela morava com a madrastra, localizada na Rua Raimundo Maia, Comunidade Parque São Pedro, bairro Tarumã, zona Oeste.

Assasina Enteada reconstituição delegadoDe acordo com o delegado Ivo Martins, a reconstituição teve por objetivo equiparar as informações fornecidas pela suspeita em depoimento. Na ocasião, estiveram presentes os peritos André Santana e Cinthia Chagas, do Instituto de Criminalística (IC). “Precisamos verificar se é verossímil aquilo que ela diz, de que foi um acidente. Os peritos estiveram aqui conosco, analisaram o depoimento dela e tomaram novas informações a partir do que ela falou aqui, no local do homicídio. Nós vamos trabalhar para ter mais elementos para verificar se de fato houve o acidente”, ressaltou Martins, destacando que será possível concluir se uma criança pode vir a óbito a partir da queda da escada do imóvel.

Ele disse ainda não há indícios de que Ericka teve a ajuda de outra pessoa para cometer o delito. “O que os peritos vão checar agora, considerando o peso da criança, é se seria possível transportar sozinha a menina para o ramal”, informou.

Após a reconstituição na casa onde o homicídio ocorreu, a equipe da DEHS, juntamente com os peritos, seguiu para um matagal no quilômetro 41 da rodovia estadual AM-010, onde a ossada de Rayane foi encontrada, no último dia 21. No local, os peritos acharam mais restos mortais da criança, que foram recolhidos e serão analisados.

Entenda o caso

Ivo Martins declarou que Ericka foi presa pela equipe da DEHS na noite do último dia 20, no momento em que foi prestar depoimento sobre o caso, no prédio da especializada. O titular da unidade policial disse que a jovem relatou que a morte de Rayane teria ocorrido na manhã do dia 7 deste mês, na quitinete onde elas moravam.

A menina, segundo Martins, era filha do companheiro da jovem, que cumpre pena desde o mês de julho de 2015, por tráfico de drogas, em Itacoatiara, município distante 176 quilômetros, em linha reta, da capital.

Assasina Enteada reconstituição 2“Ericka argumentou, em depoimento, que Rayane estava brincado com um cachorro e o animal teria pulado na criança, fazendo com que ela tropeçasse e caísse da escada, vindo a falecer momentos depois. Ela afirmou que ainda tentou reanimar a vítima, mas não chegou a pedir ajuda de terceiros, alegando estar nervosa e assustada com a situação. Em seguida, Ericka comprou uma sacola e colocou o corpo da criança”, argumentou Ivo Martins.

Após o crime, segundo o delegado, a infratora seguiu para Boa Vista, capital do estado de Roraima, onde ficou na casa de uma tia. Ela teria retornado a Manaus no último dia 15. No dia 18 ela esteve no local onde deixou o corpo e removeu o crânio da criança, que ainda estava junto ao restante do cadáver, e jogou em um local próximo.

Ericka foi presa em cumprimento a mandado de prisão, expedido no último dia 20, pela juíza do Plantão Criminal, Lídia de Abreu Carvalho Frota. A jovem foi indiciada por homicídio, em razão da omissão e ocultação de cadáver. Após os procedimentos legais, ela será encaminhada ao Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF), onde irá permanecer à disposição da Justiça.