Polícia prende por tentativas de homicídio advogado que disse ter sido estuprado por Adail Pinheiro

Delegado Henrique Brasil 2

Delegado Henrique Brasil

Sob a coordenação do delegado Henrique Brasil, titular do 8º Distrito Integrado de Polícia (DIP), equipe de investigadores cumpriu, na manhã de ontem, dia 7, mandado de prisão preventiva em nome do advogado Renan Lourenço Barbará, 29. Ele foi preso, por volta das 11h, em sua residência, situada no Conjunto Ipase, bairro Compensa, zona Oeste da cidade. O advogado é o mesmo que, durante o tempo em que esteve preso no Comando de Policiamento Especializado, no bairro  D. Pedro, acusou seu colega de cela, o ex-prefeito Adail Pinheiro, de estupro.

De acordo com Henrique Brasil, o cumprimento do mandado de prisão, expedido pela juíza da 3ª Vara do Tribunal do Júri  Mirza Telma, foi acompanhado por membros da Comissão de Direitos e Prerrogativas da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Amazonas (OAB-AM). Fizemos questão que integrantes da Comissão de Direitos e Prerrogativas da OAB-AM participassem do desfecho da ação, garantindo, com isso, a lisura e legalidade da diligência”, declarou o delegado.

Segundo ele, tramitam no 8º DIP três inquéritos por tentativa de homicídio em nome de Renan. Todos os crimes possuindo as mesmas características e ocorridos no Conjunto Ipase, onde ele morava até ser preso. “Ele espera que a vítima fique de costas para então desferir uma facada na pessoa. Após praticar o delito ainda olha de forma fixa nos olhos da vítima”, revelou Brasil.

O delegado titular do 8º DIP informou, ainda, que Renan ficou conhecido porque, em agosto do ano passado, denunciou o ex-prefeito de Coari, Adail Pinheiro, por estupro que, supostamente, teria ocorrido no interior da cela que eles dividiam no Comando de Policiamento Especializado (CPE), onde ambos estavam sob custódia.

“Renan foi denunciado recentemente por tentativa de homicídio, ocorrida na segunda quinzena de janeiro deste ano. Constam ainda mais três inquéritos em nome dele pelo mesmo crime. Ele foi novamente conduzido ao CPE da Polícia Militar e nos próximos dias será ouvido pela equipe do 8º DIP, para esclarecimentos sobre os delitos praticados. Priorizamos o cumprimento do mandado em nome dele para evitar que ele aumentasse o número de vítimas durante o Carnaval”, concluiu o delegado Henrique Brasil.