Policiais civis voltam às ruas em protesto pelo não pagamento de escalonamento e promoções por parte do governo do AM (ver vídeo)

Vale lembrar, que essa é a terceira manifestação de servidores, somente nesta semana

Foto: Lara Tavares

Os policiais civis do Amazonas voltaram às ruas nesta quarta-feira (15), em protesto pelo não pagamento da última parcela do escalonamento, da data-base da categoria que deveria ter ocorrido em abril, a volta das promoções que, segundo eles, está parada desde 2016 e a reposição de perdas salariais. Eles se concentraram em frente Delegacia Geral da Polícia Civil do Amazonas, na Avenida Pedro Teixeira, e o destino foi a sede do governo do estado, na Compensa.

No meio da Avenida Brasil, os policiais colocaram um banner em tamanho real de Wilson Lima com a frase “A bronca é comigo” ao lado de um caixão que serviria para enterrar o governador com os direitos da categoria. Um dos organizadores da manifestação, o policial James Figueiredo, questionou onde está o Wilson Lima que disse que seu governo seria baseado no diálogo, mas até agora se recusou a conversar com os policiais.

“Nós estamos a trinta dias tentando dialogar e o senhor (Wilson Lima), não abre um espaço para dialogar com os escrivães e investigadores, o que está acontecendo governador? Cadê o homem da mídia e do diálogo como o senhor diz? Cadê esse governador que passa uma mensagem enganosa pra sociedade?”, disse o policial

Os policiais lembraram que, durante a campanha eleitoral de 2018, o governador Wilson Lima chegou a fazer reunião com as lideranças dos policiais civis e militares  e disse que em seu governo, o escalonamento e as promoções seriam prioridades, mas, no final do mandato nada foi resolvido. Os policiais lembraram que existe uma decisão judicial determinando o pagamento dos direitos trabalhistas, mas o governador não cumpre.
Vale lembrar, que essa é a terceira manifestação de servidores, somente nesta semana. Na segunda-feira (13) profissionais de saúde estiveram em frente a sede do governo, onde ficaram por mais de três horas tentando falar com o governador, porém, sem sucesso. Já na terça-feira (14) técnicos de enfermagem contratados em regime temporário RDAs, estiveram na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), onde aos gritos de “Wilson caloteiro”, pediam aos parlamentares para cobrar o governador direitos como ticket alimentação e insalubridade.