Policiais militares presos teriam executado sumariamente adolescente com um tiro na cabeça e estariam ameaçando testemunhas

policial atira em menor

Em 2010, aconteceu fato semelhante quando policiais da Força Tática quase mataram a tiros adolescente de 14 anos (Imagem do site de A Crítica)

De forma muito semelhante com o que aconteceu no dia 17 de agosto de 2010 quando policiais militares da Força Tática foram filmados atirando contra um adolescente de 14 anos – só que esse sobreviveu -, as informações que chegaram ao Radar (algumas vindas de funcionários do plantão do Judiciário de onde foi expedida a ordem de prisão) são que as testemunhas são unânimes em dizer que os policiais da Força Tática levaram Luan Pereira da Silva, 19 anos, pra dentro do mato, mandaram ajoelhar e deram um tiro na cabeça do rapaz. Dois adolescentes de 15 e 17 anos que estavam com Luan são testemunhas. O crime aconteceu no início desse mês, na comunidade Carlos Braga, no bairro Nova Cidade, Zona Norte de Manaus.

Os adolescentes que testemunharam contra os policiais estariam sendo perseguidos e ameaçados de morte. Esse teria sido o principal motivo para a juíza plantonista Sanã Almendros decretar a prisão dos policiais. Oito policiais estão presos – ou melhor seria dizer aquartelados? – no Quartel de Guardas da PM. A prisão Assim como aconteceu no quase assassinato do menor de 14 anos, em 2010, eles dizem que foram recebidos por Luan e seus colegas a tiros, durante uma averiguação policial que estavam fazendo –  não ficou definida qual era a averiguação dentro da mata.

Os PMs acusados da morte de Luan são: tenente Paulo Ricardo Cheick Furtado, cabo Rick Fábio dos Santos de Souza, e os soldados Willian Ferreira Costa, Evandro Saraiva Machado Neto, Jhonatas Trindade da Silva, Maxwell Silva de Souza, Klinger Ferreira de Oliveira e Orlando Castro Martins.

História Semelhante

Imagens de vídeo que se tornaram do conhecimento público através do site de A Crítica mostraram policiais militares da Força Tática, humilhando, agredindo e atirando três vezes num adolescente de 14 anos O crime ocorreu na madrugada do dia 17 de agosto de 2010, no final da rua 50, no bairro Amazonino Mendes, Zona Norte.

Nas imagens, reproduzidas pela reportagem, o garoto é cercado por policiais de arma em punho, tem o cordão e a pulseira arrancados pelos policiais, leva socos e chora muito pedindo pra não ser morto.

Mesmo assim leva três tiros de pistola PT.40, mas sobrevive. Apesar de todas as tentativas o Radar não conseguiu descobrir o que aconteceu com os policiais, enquanto que o adolescente e sua família tiveram que mudar do bairro, e até mesmo do Estado por medo de represálias dos policiais envolvidos e de seus colegas de farda. (Any Margareth)