Policial que estuprou adolescente em Manacapuru é preso em cela “especial” da PM

Diferente do que acontece com um criminoso que comete um crime hediondo, no caso, um estupro de uma adolescente, o policial militar Francislande de Oliveira Duarte, também conhecido como “França Duarte”, não foi preso em uma cela de um presídio comum. De acordo com a Secretaria de Segurança Púbica (SSP), o PM permanece nas dependências do núcleo prisional da Polícia Militar do Amazonas (PM-AM), um verdadeiro “Resort”, considerando as condições dos presídios do Estado.

Francislande é acusado de estuprar uma adolescente de 14 anos no dia 12 de julho, em Manacapuru (distante 68 quilômetros de Manaus). De acordo com a SSP, a prisão do PM ocorreu no momento em que a Corregedoria estava com uma equipe no município, por ocasião das festividades do aniversário da cidade e tomou conhecimento do fato.

“Em conjunto com a Polícia Civil (PC) e batalhão da área, iniciaram as investigações, sendo realizados os devidos exames na vítima, onde foi confirmado o estupro, sendo o policial preso por força de mandado de prisão preventiva”, diz a nota.

Quanto ao processo administrativo, que o PM já respondia por estupro em 2013, a Secretaria disse que o mesmo não foi arquivado e será publicada em breve a solução da ação.

Entenda o caso

As informações que chegaram ao Radar na sexta-feira (19), de forma anônima, é que o policial militar Francislande manteve a jovem presa em um carro para praticar os estupros no dia 12 de julho. A adolescente procurou o quartel do 9° Batalhão de Polícia Militar, onde o policial estava de serviço após ter sido expulsa de casa pela mãe.

Na delegacia, o policial havia feito várias perguntas, questionando sobre a idade da adolescente, se ela teria mais de 13 anos e quando completaria 15 anos de idade. Ainda na delegacia, o policial teria puxado a adolescente, abraçado e pedido para ela “ter calma”, foi quando começou a abusar a adolescente.

O policial teria levado a adolescente para um banheiro na unidade e cometido os estupros. Em seguida, a levou para um veículo, onde a manteve durante toda a noite trancada, e durante os intervalos do plantão, voltava a estuprar a adolescente. O estupro durou toda a noite, até findar o plantão do policial. O PM chegou a levar a adolescente até a casa dela.

Após relatar o ocorrido para a mãe, o Conselho Tutelar da cidade foi acionado e levou o caso ao conhecimento dos órgãos de segurança, que efetuaram a prisão do policial.