Prefeita de Presidente Figueiredo corta a gasolina e reduz frota de ônibus escolares, denunciam pais de alunos e universitários

Alunos da comunidade Tracoá em Presidente Figueiredo, deixaram de ir à escola por falta de combustível

Foto: Divulgação

Pais de alunos da rede de ensino procuraram o Radar Amazônico para fazer denuncias sobre o transporte escolar do município de Presidente Figueiredo distante a 126 quilômetros da capital amazonense.

Está não é a primeira vez que o transporte escolar do município sofre críticas principalmente na gestão de Patrícia Lopes (MDB) que já gastou em torno de R$ 3 milhões com 16 empresas para o serviço.

De acordo com os denunciantes que não quiseram se identificar, alunos da comunidade Tracoá em Presidente Figueiredo, deixaram de ir à escola por falta de combustível e só conseguem frequentar a escola por três vezes na semana.

Em fotos, é possível ver uma fila com várias crianças e adolescentes no meio da estrada e retornando a pé para suas casas.

“Isso é uma vergonha, eles gastam milhões com besteira e com empresas de transporte que nãos servem para nada” disse um dos denunciantes.

Frota de ônibus

Em relatos, alunos universitários denunciaram que foi anunciado pela prefeitura que foi retirado cerca de 30 litros de combustível de cada rota e que também houve uma diminuição na frota que antes contava com 7 ônibus e agora somente com 5.

Segundo os estudantes, com a diminuição da rota fica complicado para os universitários conseguirem vir a Manaus para estudar, pois, quando lota, não há como seguir viagem. Outro questionamento foi que com a redução da gasolina, quem mora em ramais pode acabar ficando pelo meio do caminho.

” Isso é complicado, pois eles diminuíram a gasolina e o número de ônibus e como a gente fica? Se a gasolina acabar no meio do caminho nós vamos ficar abandonados no meio do ramal” disse um universitário.

O Radar já trouxe outras denúncias sobre o transporte escolar que além de estar aparentemente sucateado, vive apresentando panes mecânicas e como consequência, alunos ficaram sem ir para a escola.

Sem respostas

Entramos em contato com a Prefeitura Municipal de Presidente Figueiredo e questionamos qual a motivação da redução da frota que atende os universitários e alunos da área rural e qual a necessidade da diminuição de combustível mas, até a publicação desta matéria não houve retorno.