Prefeito de Atalaia do Norte pretende gastar quase R$ 6 milhões com combustíveis

(Foto: Reprodução)

Em Atalaia do Norte (a 1.136 km de Manaus), o prefeito municipal Nonato do Nascimento Tenazor, pretende gastar quase R$ 6 milhões com combustíveis e derivados de petróleo. A informação foi publicada nessa segunda-feira (2), no Diário Oficial dos Municípios do Estado do Amazonas. (Veja documento no final da matéria)

De acordo com o despacho de homologação e adjunção, a eventual aquisição é referente à licitação na modalidade Pregão Presencial nº 001/2020, que teve a empresa J. I. Broetto Eireli, vencedora em 22 itens referentes a combustível e derivados de petróleo, que somados, vão custar R$ 5.811.731,70 (cinco milhões, oitocentos e onze mil, setecentos e trinta e um reais, setenta centavos) os cofres públicos. O documento, no entanto, não informa o tempo de vigência do contrato, tampouco quais secretarias serão beneficiadas.

Conforme consulta ao site da Receita Federal, a empresa J. I. Broetto Eireli, registrada no CNPJ nº 19.872.020/0001-80, fica localizada na Estrada da Várzea, zona rural do município de Iranduba (a 27 km de Manaus). Além disso, a empresa tem como principal atividade econômica o comércio varejista de combustíveis para veículos automotores.

Investigado

Em abril do ano passado, o prefeito Nonato do Nascimento entrou na mira do Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas por conta de supostas irregularidades referente às verbas do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) repassadas por meio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) no valor de meio milhão ao município, em 2017 e 2018.

Na época ele já era investigado por corrupção e chegou a ser afastado do cargo no ano passado pela Câmara Municipal de Atalaia do Norte. Em 2017, ele teve as contas do exercício de 2015 reprovadas pelo Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) e foi condenado a devolver R$ 2,3 milhões aos cofres públicos.

Sem resposta

O Radar tentou contato com o prefeito do município e com a sua assessoria de comunicação através dos números disponíveis no site da Associação Amazonense dos Municípios (AAM), mas não obteve resposta até a publicação desta matéria.