Prefeito de Humaitá é investigado por pagar “propina” de R$ 50 mil a vereadores

Foto: Reprodução

O Ministério Público do estado do Amazonas (MPAM) instaurou inquérito Civil (ver documento no final da matéria) para investigar suposta improbidade administrativa do prefeito de Humaitá, Herivâneo Vieira de Oliveira (Pros) que teria causado enriquecimento ilícito e prejuízo aos cofres públicos. Segundo o MP, o prefeito “ofereceu vantagem econômica de R$ 50 mil a vereadores”.

A vantagem econômica, mais conhecida popularmente como propina, teria sido oferecida aos vereadores Humberto Neves Garcia, mais conhecido pelo apelido de “Paizinho”, Samuel Mendonça de Moraes, Samuel Mendonça de Moraes, o chamado “Samuel da Colônia” e Raimundo José Cruz Santiago, que tem o apelido de “Bem-Te-Vi”. O promotor diz que as provas das tratativas de propina foram divulgadas em grupos de Whatsapp “e forma ampla, contendo áudios e vídeos.

O inquérito civil foi instaurado pelo Promotor de Justiça Weslei Machado e publicado no Diário Oficial do MPAM, nessa terça-feira (22). , as provas foram divulgadas em grupos de WhatsApp de forma ampla. Contendo áudio e vídeos.

Os vereadores devem prestar depoimento ao Ministério Público do Estado do Amazonas.

A redação do Radar Amazônico por meio de mensagem e ligação entrou em contato com o prefeito de Humaitá para ouvir maiores esclarecimentos sobre o caso, porém até o fechamento desta matéria não obtivemos resposta da assessoria.

Veja o Inquérito na íntegra