Prefeito de Humaitá pagará R$ 20 milhões à empresa de homem preso pela PF

Conhecido como Mauricinho, o dono da empresa contratada foi preso por fraudar licitações

Foto: ilustrativa

No seu nono mês de mandato, o prefeito de Humaitá, Dedei Lobo (PSC), gastará R$20 milhões em serviços de pavimentação e drenagem urbana. O valor por si já chama a atenção, mas em investigações aos sócios da empresa contratada, o Radar constatou que um deles, José Maurício Gomes de Lima já foi alvo de operações policiais.

O contrato 65/2021 foi celebrado no último dia 24 deste mês e o extrato foi publicado nesta segunda-feira (27) no Diário Oficial Eletrônico  dos municípios. (Confira o documento no fim da matéria).

José Lima, conhecido como ‘Mauricinho’, o homem que é sócio-administrador da empresa já foi preso durante a operação Saúva  (realizada em 2006 pela PF) por desvios de dinheiro do Estado, feitos através de fraudes em licitações para compra de alimentos para as Forças Armadas, merenda escolar e programas sociais do governo federal no Amazonas.

O delegado responsável pela Operação Saúva, Jocenildo Cavalcante de Carvalho, informou que houve fraude na compra de pelo menos 230 mil das cestas básicas distribuídas aos ribeirinhos durante o esquema criminoso.

Além dele, João Vitor Castro Aguiar Gomes de Lima também é sócio da empresa, conforme apontam informações da Receita Federal.

O capital social (valor investido) da empresa é de mais de R$10 milhões

Com inscrição no CNPJ n° 02.311.117/0001-11, a empresa dele, ‘Pontual Serviços de Locação e construtora LTDA’,  receberá o montante de R$20.336.139,10 (vinte milhões, trezentos e trinta e seis mil, cento e trinta e nove reais e dez centavos).

Outro ponto que chama a atenção, é que a empresa contratada pela prefeitura de Humaitá fica a 701 km de distância do município, uma vez que sua sede está localizada em Manaus, especificamente no bairro Tarumã.

Obra custará mais de R$100 mil por dia

No extrato do contrato também consta que a vigência (tempo de duração) da obra de ‘recuperação do sistema viário, com execução dos serviços de pavimentação, calçada e drenagem urbana’, é de 180 dias. Cruzando o valor global com esse período, dividindo o total da obra pela quantidade de dias, é como se cada dia da obra custasse R$112 mil aos cofres públicos.

Contratos milionários
Além do contrato realizado com Humaitá, a empresa ‘Pontual’ também possui “negócios” com a atual gestão do Amazonas. Em 2019, a empresa foi contrata pela gestão de Wilson Lima no Consórcio Bela Vista que custou R$17,9  milhões aos cofres do Estado.

Posicionamento

Tendo em vista o valor da obra e a vinculação com empresário envolvido em escândalo  de licitação, a reportagem procurou a assessoria de comunicação da Prefeitura de Humaitá  através do número disponibilizado no site oficial do município. Entretanto, ao ligar, foi informado que o número não existia.

Apesar da prefeitura informar um número, ao tentar ligar, consta como inexistente.

Com isso, a assessoria foi procurada nas redes sociais, mas não respondeu à demanda do Radar.

Confira o extrato de contrato na íntegra 

Confira as informações da empresa  

Confira o contrato firmado entre a ‘Pontual’ e o Governo do AM (Publicação DOE)