Prefeito de Tabatinga pretende gastar mais de R$5,4 milhões em serviços de recapeamento asfáltico  

Foto: Reprodução/Internet

Mesmo após uma série de escândalos durante sua gestão, o prefeito de Tabatinga (a 1.106 km km em linha reta da capital), Saul Nunes Bemerguy (MDB) pretende gastar mais de R$ 5,4 milhões em serviços de recapeamento asfáltico mesmo já tendo pago serviços de pavimentação no início deste ano durante a pandemia. A informação consta no Diário Oficial Eletrônico dos Municípios do Amazonas dessa quarta-feira (21). (Confira o documento no fim da matéria)

A empresa responsável, conforme aponta o documento oficial, a prestar serviços especializados de “engenharia para recapeamento asfáltico” pelo valor de R$5.498.504,77 (Cinco milhões quatrocentos e noventa e oito mil quinhentos e quatro reais e setenta e sete centavos) é a Sigma Engenharia e Consultoria Ltda., inscrita no CNPJ 11.621.353/0001-25 e localizada no bairro Parque das Laranjeiras, em Manaus.

De acordo com informações coletadas no site oficial da Receita Federal, o quadro de sócios da empresa- cujo capital social (investimento bruto inicial para abrir e formalizar o negócio) é de R$1 milhão- é composto por Fernando Oswaldo Cunha Filho e Felipe Barros Cunha.

 

Foto: Receita Federal

Entretanto, as informações sobre o período no qual esse serviço será executado, quais bairros e quantidades de ruas que serão beneficiados pelos serviços de recapeamento asfáltico não são disponibilizados na publicação do diário dos municípios.

É importante ressaltar que Saul Nunes já contratou outra empresa em maio deste ano em plena pandemia do novo coronavírus, conforme foi veiculado pelo Radar, para realização do serviço de “engenharia para pavimentação em concreto em vias do município de Tabatinga” pelo montante de R$20.021.232,23 milhões.

Nesse sentido, é de se estranhar que há menos de 6 meses da contratação do serviço de pavimentação -que consiste em trabalhar as bases, leitos da rua e depois o revestimento asfáltico, sendo assim, um serviço mais complexo-, ser necessário realizar o recapeamento- que tem como principal objetivo ajustar o terreno que já foi anteriormente trabalhado, refazendo a capa asfáltica, uma espécie de ‘raspagem’ que em seguida é preenchida com uma nova camada de asfalto, sendo assim, mais prática.

Diante desses fatos que levantam dúvidas sobre a necessidade da obra e o alto custo desta, o Radar procurou a representante do município em Manaus, através de número disponibilizado pela Associação Amazonense de Municípios (AAM), e a assessoria de comunicação da prefeitura.

A representante Salúvia S.B. Souza atendeu às ligações, mas ao ser informada que se tratava de uma reportagem sobre obras da prefeitura, orientou que consultasse documentos específicos de licitações. Em seguida, foi informada que os questionamentos se tratavam dos aspectos técnicos da obra (quantidade de ruas, custo por quilometragem e até previsão de execução das obras) e não burocráticos, por isso, foi questionada se possuía o contato de telefone do secretário de infraestrutura ou da assessoria de comunicação para que alguém pudesse esclarecer essas dúvidas.

Em resposta, ela afirmou que não possuía o contato de nenhum dos servidores da prefeitura de Tabatinga.

Já a assessora de comunicação (cujo contato foi providenciado em procuras na internet) da prefeitura afirmou, após os mesmos questionamentos, que era encarregada apenas pela publicação de ações e atividades das secretarias e disponibilizou o número de uma funcionária responsável pelas publicações no diário. Esta também foi procurada e questionada.

Em resposta, ela informou que “trata-se de recapeamento asfáltico de toda a extensão da Av. da Amizade, da fronteira com a Colômbia até a comunidade Indígena de Umariaçu”, que deverá começar daqui a uns dias, pois está aguardando a ordem de serviço. A servidora também afirmou que as obras estão realizadas somente agora porque o convênio do qual a obra faz parte é referente a agosto deste ano.

Contudo, ele não explicou o porquê da necessidade de realizar esse serviço mesmo o prefeito tendo feito uma contratação da mesma espécie há pouco tempo.

Antecedentes 

Essa é apenas mais uma ação do prefeito que chama atenção durante sua gestão. Em março deste ano,  ele foi denunciado por desviar mais de R$ 19 milhões em verbas federais destinadas à educação do município. A denúncia, feita pelo Ministério Público Federal (MPF), acusou o gestor de fraudar licitações entre 2009 e 2010.

Além disso, Saul Nunes também praticou compras milionárias durante o período crítico da pandemia do novo coronavírus no Amazonas, como a aquisição de materiais de informática pelo valor de R$3,4 milhões. 

Mesmo com todas essas situações, Nunes está concorrendo à reeleição no município de Tabatinga