Prefeito de Tapauá pretende gastar mais de R$ 1 milhão com construção de escola com quatro salas

O documento foi publicado no Diário Oficial dos Municípios (DOM) nessa quinta-feira (28) e possui assinatura eletrônica do prefeito

Foto: Divulgação

O prefeito Gamaliel Andrade (PSC) pretende gastar mais de R$ 1 milhão com a contratação de uma empresa especializada para “execução de obras e serviços de engenharia” para a construção de uma escola com apenas quatro salas na comunidade Novo Paraíso, município de Tapauá (a 759 quilômetros de Manaus). O documento foi publicado no Diário Oficial dos Municípios (DOM), nessa quinta-feira (28). (veja documento ao final da matéria).

De acordo com as informações do diário, o contrato aconteceu por procedimento licitatório realizado pela Comissão Permanente de Licitação. A empresa vencedora foi a WMS  ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA, inscrita no CNPJ 12.552.742/0001-09, que tem como atividade principal “montagem de estruturas metálicas”.

A empresa fica localizada na avenida Camapuã, bairro Novo Aleixo, zona Norte de Manaus e tem capital social de R$ 200 mil. No quadro societário, aparecem os nomes de Wanderlan de Souza Martins e Sandro Wallace Pereira de Souza.

Com o contrato firmado, a empresa levará dos cofres públicos de Tapauá o montante de R$ 1,2 milhão para realizar a construção do centro educacional. Porém, o contrato chama atenção pelo valor exorbitante e pelo fato de que a escola será construída apenas com quatro salas.

Polêmicas

No dia 12 de julho do ano passado, foi instaurado pelo Ministério Público do Amazonas (MPAM) um Inquérito Civil para investigar o prefeito de Tapauá, Gamaliel Andrade de Almeida (PSC), por suposta promoção pessoal nas redes sociais do município. Segundo a denúncia, ele fez várias publicações no dia 10 de julho daquele ano nos perfis oficiais da prefeitura – Instagram e Facebook – relacionando sua imagem às propagandas institucionais.

O promotor do MPAM destacou, à época, que a Administração Pública não pode condicionar o ato administrativo a interesses particulares, devendo sempre estar direcionado para o interesse público e não ao funcionário que o praticou.

“A utilização de imagens, nomes, símbolos e slogans do prefeito encerra grave ofensa aos princípios da Administração Pública e, nessa medida, configura ato de improbidade administrativa”, justifica em um trecho do documento.

Respostas

O Radar Amazônico entrou em contato com a Secretária de Finanças de Tapauá e fez questionamentos sobre o número de salas e alunos que serão atendidos na unidade de educação, mas até a publicação destra matéria não houve retorno.

Confira o documento na íntegra