Prefeito diz que Reforma Tributária é fundamental para a não decadência da Suframa

Foto: Reprodução

Os desafios econômicos enfrentados por empresas que compõem o Polo Industrial de Manaus (PIM) foram destacados pelo prefeito Arthur Virgílio Neto (PSDB), nesta quinta-feira (3), durante reunião ordinária do Conselho de Administração da Superintendência da Zona Franca de Manaus (CAS).

De acordo com Arthur, apenas os incentivos fiscais não são fundamentais para manter a Zona Franca em atividade por muito tempo.

“Os incentivos são fundamentais, mas só com eles a Zona Franca vai entrar em decadência, em falência. Por isso acredito que a reforma tributária, a reforma econômica estrutural, é fundamental para que a gente possa explorar novos meios, como a biodiversidade e entrar de uma vez por todas na economia 4.0”, destacou o prefeito que pediu mais investimentos para a região em internet, telefonia, hidrovias e formação de capital intelectual para a renovação da Zona Franca.

Além da reforma, Virgílio criticou a falta de um representante da área da ciência e de governantes da Amazônia no Conselho da Amazônia, que é presidido pelo vice-presidente da república, Hamilton Mourão.

“Brasil tem que escolher entre o desastre e a boa governança. A boa governança está entre renovar o Conselho da Amazônia, que é formado apenas por pessoas do governo e sem pessoas que realmente vivem a Amazônia. O que é um absurdo, porque é obvio que toda pauta que for a favor do governo e contra a Amazônia será aprovada com facilidade”, criticou.