Prefeito “festeiro” de Maués dá novo “passa fora” no MPC e faz mais uma mega festa sem declarar gastos

 

Desobedecendo a orientação do Ministério Público de Contas do Amazonas (MPC) de que os gestores não devem usar recursos públicos para a realização de festas de carnaval, o prefeito festeiro do município de Maués (a 253 quilômetros de Manaus), Junior Leite (Pros), está promovendo cinco dias de festa no município, o “Maués Folia 2018”. Essa não é a primeira celeuma que o prefeito do município causa por causa de suas megalômanas festas.

Durante todo o ano passado, o prefeito Junior Leite não se cansou de fazer festa. No Festival de Verão, por exemplo, realizado em setembro do ano passado, o prefeito festeiro trouxe até atração nacional, a cantora Solange Almeida, em seu primeiro trabalho solo após sua saída da banda Aviões do Forró. Quanto gastou para bancar a dita atração nacional e o festival, o Radar não conseguiu encontrar qualquer informação e sequer o Ministério Público de Contas conseguiu saber. O prefeito, desrespeitando todas as normas de moralidade e legalidade administrativa, decidiu que não dá publicidade aos seus gastos com festa e ponto final.

Tanto isso é verdade que o procurador de contas Ademir Carvalho Pinheiro solicitou ao Tribunal de Contas do Estado, (TCE-AM) que pedisse à Prefeitura de Maués informações sobre o Festival de Verão, principalmente qual “o valor pago pela atração nacional e demais gastos com a festa”. Até agora o Radar não conseguiu saber se o TCE solicitou as informações e muito menos se o prefeito respondeu aos questionamentos da Corte de Contas – será que o prefeito festeiro deu um “passa fora” ou foi um “num tô nem aí” para o MPC e TCE, hein gente?

E se Junior Leite deu menos importância para os órgãos de controle externo das administrações públicas, pro Radar não foi diferente e ainda usou uma manobra para esconder os gastos com suas festas. No fim do ano passado, ele se negou a informar quais foram os gastos com a Festa do Guaraná e jogou a responsabilidade de fazer isso para uma empresa, a cervejaria Ambev, logicamente, sabendo que a iniciativa privada não tem obrigação de declarar à imprensa seus gastos. E foi exatamente o que aconteceu. A Ambev emudeceu quando questionada pelo Radar.

Mas, segundo denúncias que chegaram ao Radar na época da Festa do Guaraná, a Prefeitura de Maués gastou mais de um milhão de reais com a 38ª Festa do Guaraná. As informações dão conta que o maior valor gasto foi com a apresentação do cantor Wesley Safadão que aparece no TOP 10 dos shows mais caros do país como o segundo maior cachê do Brasil, no valor de R$ 800 mil, perdendo apenas para o rei Roberto Carlos, que só sai de casa por um milhão.

Agora, sabe-se lá quanto o prefeito está gastando com cinco dias de festa carnavalesca em Maués, o que se sabe é que dinheiro público vai virar cinzas quando a folia acabar

MPC recomendou

No fim do mês de janeiro, o Ministério Público de Contas do Amazonas (MPC-AM) emitiu recomendações a prefeituras do interior do Estado para que os prefeitos se abstenham de utilizar recursos públicos com o carnaval deste ano.

Nas recomendações, o procurador Carlos Alberto Almeida, lembra que é de conhecimento público que os municípios do Amazonas passam por dificuldades financeiras, com eventual atraso no pagamento de servidores e fornecedores. “A medida visa, entre outros, preservar o interesse público e os serviços essenciais de Saúde, Educação e Saneamento”, diz a recomendação.

A recomendação do MPC diz para os prefeitos “que se abstenha de onerar os cofres municipais com realização de despesa ilegítima com festejos carnavalescos e publicidade, em 2018, seja por meio de contratações diretas, transferências voluntárias, convênios, patrocínios ou qualquer outra forma que implique destinação de recursos públicos para tal finalidade, em detrimento dos investimentos e obrigações prioritários e inadiáveis de manutenção e ampliação dos serviços essenciais em Saúde, Educação, Saneamento e pagamento de folha de pessoal eventualmente em atraso”.

Mas, pelo jeito, a crise econômica passou longe do município de Maués e setores essenciais da administração pública, como saúde e educação, devem estar prestando serviços perfeitos à população. Ou então, o prefeito festeiro de Maués deve achar que basta para o povo pão e circo. E advinha quem vai usar a fantasia de palhaço?