Prefeito lamenta assalto a procuradora do município e critica falta de segurança

“Estou pasmo! Se assaltaram a prefeitura hoje, amanhã pode ser a sede do Governo do Estado. A que ponto chegamos!”, declarou o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, sobre insegurança vivida na capital. A declaração ocorreu nesta sexta-feira (24), logo após dupla assaltar e balear no braço, a procuradora aposentada do município, Rejane Helena Pinheiro Cabral dos Anjos, no estacionamento da Prefeitura, no bairro Compensa, zona Oeste.

“Estão perdendo o limite. Temos muitos problemas sociais, mas tempos atrás era impensável roubar uma igreja, por exemplo. Esse limite foi perdido nessas guerras de facções e na necessidade, que não está sendo cumprida, de se ter uma forte política de segurança pública”’, completou Arthur Neto, ao lamentar o episódio.

Em média, dez guardas municipais atuam, por turno, na segurança patrimonial da sede da Prefeitura de Manaus. Foi a própria Guarda Municipal que acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192), que rapidamente chegou ao local, e também a Polícia Militar, que em poucos minutos enviou uma viatura e policiais da 8ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom).

“Nos solidarizamos, minha esposa Elisabeth Valeiko Ribeiro e eu, com a nossa servidora e nos colocamos à disposição dos familiares para prestar todo o auxílio necessário. Graças a Deus, ela não corre risco de morte e esperamos respostas por parte dos órgãos competentes”, finalizou o prefeito.

Com informações da assessoria de imprensa