Prefeitura de Manaus aditiva em R$ 31 milhões contrato com empresa de Minas Gerais para “controle de abastecimento de combustível”

O valor inicial do contrato é de R$ 30,2 milhões e foi firmado no dia 17 de dezembro do ano passado, ou seja, há apenas cinco meses

Foto: Semad/Syrrames Nobre

Sob justificativa de “reequilíbrio econômico-financeiro dos preços do Contrato de Prestação de Serviços nº017/2021, em face da atualização dos preços dos combustíveis”, a prefeitura de Manaus aditivou em R$ 31 milhões o contrato no valor inicial de mais de R$ 30 milhões com a empresa Trivale Instituição de Pagamento Ltda, firmado no dia 17 de dezembro do ano passado . A empresa fica em Uberlância, Minas Gerais. A informação consta no Diário Oficial do Município (DOM), divulgado nessa terça-feira (17) – veja a publicação no final da matéria. (ver aditivo no final da matéria)

O objeto determinado para a contratação da empresa é o “gerenciamento eletrônico e controle de abastecimento de combustível da frota de veículos e máquinas com motor de combustão interna das Unidades Administrativas da prefeitura. (ver contrato no final da matéria).

O contrato com a empresa Trivale Instituições foi firmado pelo titular da Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão (Semad), Ebenezer Bezerra, previsto para ser encerrado no dia 17 de dezembro deste ano, com possibilidade de prorrogação.

Segundo os termos do contrato, a empresa terá que acompanhar a regularidade dos estabelecimentos credenciados junto a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e demais instituições fiscalizadoras. Além disso, ela ficará responsável por contratar funcionários para executar o serviço e assumir os custos para com os mesmos.

Após consulta no site da Receita Federal, o Radar Amazônico constatou que a empresa fica localizada na avenida Jacarandá, bairro Jaraguá, em Uberlãndia, Minas Gerais. Atualmente a empresa é administrada por José Geraldo Ortigosa, Caio Augusto Faria Pajaro, Simonio Freita da Silva e João Batista Rodrigues, além de ter como sócios a Valeinvest Participações e Investimento S/A e Mazzo Participações Societariais Ltda.

Resposta

O Radar Amazônico questionou a Prefeitura de Manaus, por meio da Semad e da Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom) sobre a necessidade do aditivo de mais de R$ 31 milhões, mas até o momento do fechamento da matéria não chegou nenhuma resposta.

Veja a publicação no Diário Oficial

Veja o contrato

Veja a inscrição da Trivale