Prefeitura de Manaus asfalta novamente conjunto fechado no bairro Redenção, enquanto ruas próximas estão na buraqueira (veja vídeo)

O asfalto colocado no local apresenta uma camada bem grossa e parece ser de boa qualidade, totalmente diferente do utilizado nos bairros.

Foto: Radar Amazônico

Os serviços de asfaltamento da vias de Manaus que estão custando R$ 310 milhões aos bolsos dos cidadãos que pagam impostos, continuam sendo alvos de denúncias feitas ao Radar. Nessa segunda-feira (23), após reclamações de moradores do bairro Redenção e do conjunto Hiléia, o Radar esteve no Conjunto Residencial Jardim Hileia, que é uma área fechada, que tem cancela e guarita de segurança, onde encontrou as máquinas da prefeitura fazendo asfaltamento, somente dois meses depois que já tinha feito o mesmo serviço.

O Radar recebeu a mesma denúncia no dia 18 de março deste ano e confirmou no local que a prefeitura estava fazendo o recapeamento das ruas do Residencial Jardim Hiléia. Vale ressaltar que o serviço que está sendo feito é exatamente de recapeamento asfáltico, quando se retira o asfalto antigo e se põe massa asfáltica nova, e não somente um mero serviço de tapa-buraco como está acontecendo em diversos bairros da cidade.

Na época da primeira denúncia, o Radar inclusive descobriu através dos próprios trabalhadores da Seminf, que a equipe de asfaltamento estava no Puraquequara, mas teve que interromper as obras para fazer o serviço no residencial fechado. Segundo o denunciante, o residencial é reduto eleitoral de um vereador, filho de um deputado estadual, que fez campanha para eleição do prefeito David Almeida junto aos moradores do Jardim Hileia e agora está “pagando os votos” com os “privilégios” de asfaltamento.

Levando-se em consideração o Plano Diretor de Manaus, a prefeitura estaria proibida de fazer asfaltamento naquela área, já que está determinado no Plano Diretor que ao fechar que, ao fechar um local público e restringir acesso livre de pessoas, a área passa a ter status de condomínio, o que faz com que serviços públicos, como, por exemplo, coleta de lixo e asfaltamento, sejam pagos pelos moradores do local.

Foto: Marhia Bessa/ Radar Amazônico

O asfalto colocado no local apresenta uma camada bem grossa e parece ser de boa qualidade, totalmente diferente do utilizado nos bairros. Outro fato que chama atenção é que o prefeito anunciou que cerca de dez mil ruas estariam recebendo o recapeamento e que “Manaus viraria um canteiro de obras” além de colocar nas ruas 31 frentes de asfaltamentos e que não seria feito o famoso tapa-buracos. Porém, a realidade é outra, enquanto residenciais são beneficiados, no próprio bairro do Hiléia a menos de 50 metros de onde fica o Jardim Hileia, foi possível encontrar buracos e nenhuma equipe estava no local.

O Radar ressalta que não é contra o asfaltamento, mas que ele seja realizado de forma correta e que os bairros sejam contemplados com a mesma qualidade do asfalto e não que áreas privadas e conjuntos residenciais estejam recebendo o serviço e tirando das ruas que realmente precisam.

Veja vídeo: