Prefeitura de Manaus faz a terceira dispensa de licitação em menos de um mês; montante atinge quase R$ 12 milhões 

Reprodução

Reprodução

Passados quase cinco meses do início da atual administração da Prefeitura de Manaus – ler David Almeida (Avante) e Marcos Rotta (DEM) – somente agora a Secretaria de Infraestrutura do município chegou a conclusão que iria precisa de ferro vergalhão “para confecção de tampas de caixa coletora, grades de boca de lobo, pontes, dissipadores e demais serviços que necessitem de amarração metálica”. Esta é mais uma dispensa de licitação feita pela Prefeitura de Manaus, desta vez no valor de R$ 2.004.135,50 (dois milhões, quatro mil, centro e trinta e cinco reais e cinquenta centavos). As dispensas de licitação já atingiram um montante de quase R$ 12 milhões. A portaria Nº0107/2021 foi publicada no Diário Oficial de Manaus da última sexta-feira (21). (ver documento no final da matéria).

Esta é a terceira dispensa de licitação feita pela Prefeitura de Manaus em menos de um mês, a segunda através da Secretaria de Infraestrutura, cujo secretário é o vice-prefeito Marcos Rotta. A outra dispensa de licitação feita pela Seminf foi para a compra de asfalto, no valor de mais de R$ 3,1 milhões. Para as seguidas contratações diretas de produtos e serviços, a gestão de David Almeida está alegando “situação de emergência e calamidade pública” prevista na Lei de Licitações.

A empresa contratada para fornecer o ferro vergalhão é a OG Comércio de Ferragens LTDA, inscrita no Nº 22.506.889/0001-16. A empresa possui, de acordo com informações da Receita Federal, dois sócios: Odara Santos Guerra e Alex Pinatto e registra o capital social de R$500.000,00 (Quinhentos mil reais).

“Emergências” milionárias

Com esta dispensa, a prefeitura totaliza três dispensas de licitações em menos de um mês. Além da compra de ferro vergalhão, também foi contratado serviços de limpeza das ruas, através da Secretaria de Limpeza Pública (Semulsp), cujo secretário é Sabá Reis (Avante),  pelo valor de R$ 6.7 milhões e a compra de asfaltos por R$3.1 milhões.

As frequentes contratações emergenciais da prefeitura de Manaus, já custaram quase R$12 milhões aos cofres públicos em menos de um mês.

Confira o documento na íntegra