Prefeitura de Presidente Figueiredo descumpre acordo e não devolve concessão ao motorista da comunidade São Miguel (ver vídeos)

O motorista Jhoney Cardoso está cansado de promessas vazias. A comunidade está revoltada com a prefeita Patrícia Lopes

Foto: Luiz Mendes

Mais uma vez, a Prefeitura de Presidente Figueiredo, comandada pela Prefeita Patrícia Lopes (MDB), não cumpriu o acordo com o motorista Jhoney Cardoso, que teve a concessão de seu ônibus cassada pelo município. No dia 6 de setembro, após uma manifestação feita pelos moradores da comunidade São Miguel em frente à Prefeitura, a Empresa Municipal de Transportes Urbanos (EMTU) atendeu o motorista e lhe deu um requerimento, que se assinado pela prefeita, lhe daria o direito de voltar a fazer o transporte de passageiros da área rural.

Nessa terça-feira (19), Jhoney Cardoso voltou à Prefeitura para pedir a assinatura do requerimento, mas teve seu pedido negado mais uma vez.

“O que eu tenho para falar é que o requerimento não foi assinado e não tenho previsão para voltar a trabalhar”, disse Jhoney.

O Radar entrou em contato via e-mail com a Prefeitura de Presidente Figueiredo e questionou quais são os motivos para a concessão não ser assinada, mas até o fechamento dessa matéria não obteve resposta.

Ônibus novo

O motorista Jhoney Cardoso trabalha há quase 10 anos fazendo o transporte dos moradores da comunidade São Miguel até a cidade de Presidente Figueiredo, mas teve sua concessão cassada pelo fato do veículo ser velho demais.

A Prefeitura fez o seguinte acordo: caso o motorista comprasse um ônibus mais novo, a concessão seria devolvida. Sem dinheiro para comprar um o veículo, os moradores da comunidade São Miguel fizeram uma vaquinha e conseguiram comprar um ônibus novo, mas mesmo assim, a concessão não foi renovada.

Aumento no preço da passagem

Na mesma manifestação realizada em frente à Prefeitura do município no dia 6 de setembro, os moradores da comunidade relataram ao Radar que, após a retirada do ônibus de Jhoney, outras linhas de ônibus passaram a fazer o itinerário com o preço reajustado.

Em entrevista ao Radar, o diretor Moisés Barbosa afirmou que Jhoney teve sua concessão cassada por cobrar uma passagem mais barata, dificultando assim, o trabalho de outros motoristas. Mas a população afirma que sempre pagou o mesmo preço e que somente agora o valor da passagem passou de R$ 6 para R$ 8.