Prefeitura notifica Manaus Ambiental sobre gastos com obra na rua Pará

A Prefeitura de Manaus entregou nessa quarta-feira (7), uma notificação cobrando da concessionária de abastecimento de água Manaus Ambiental o ressarcimento de R$472 mil referente ao valor gasto pelo Município na obra emergencial de recuperação de uma erosão na rua Pará, bairro Nossa Senhora das Graças, zona Centro-Sul, ocasionada pelo vazamento de uma rede de abastecimento de água. O documento foi entregue pelo prefeito em exercício e secretário Municipal de Infraestrutura (Seminf), Marcos Rotta, ao diretor de operações da concessionária, Luís Couto.

A cobrança foi uma determinação do prefeito Arthur Virgílio Neto, em virtude do prejuízo que a falta de manutenção na rede de abastecimento de água, por parte da Manaus Ambiental, causou ao Município. O rompimento da rede ocasionou a abertura de uma grande cratera na rua Pará no dia 17/12 do ano passado.

Juntamente com a notificação foi apresentada uma planilha de custos e o relatório pericial, produzidos pela Seminf, responsável pela obra, contemplando a locação de equipamentos de logística e pesado, material asfáltico e de drenagem, além da mão de obra utilizada em 55 horas de trabalhos ininterruptos. O relatório contou com a participação direta da Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Município de Manaus (Ageman).

“Ficou mais que comprovado por nossos técnicos que o problema na rua Pará foi ocasionado pela Manaus Ambiental. O prefeito achou justo que fizéssemos o apanhado geral do que foi gasto com combustível, alimentação, transporte, maquinário e pessoal e todos os insumos necessários, para em tempo recorde, recuperássemos uma importante via da cidade de Manaus”, salientou Rotta.

A empresa Manaus Ambiental terá o prazo de cinco dias para ressarcir a Prefeitura de Manaus em R$ 472.055,02. Mas pode recorrer do prazo.

“Foi dado um prazo de cinco dias na instrução jurídica da Seminf, mas a Manaus Ambiental pode pedir, um prazo maior para uma análise mais minuciosa do relatório apresentado”, explicou o diretor-presidente da Ageman, Fábio Alho.

Fotos: Alexandre Fonseca / Seminf