Presas acusam mãe do menino Henry de atos libidinosos dentro da cadeia

Detentas afirmaram em depoimento que Monique Medeiros teria mostrado os seios para o advogado, enquanto ele se masturbava

Foto: reprodução

Mulheres que estão presas no Instituto Penal Oscar Stevenson, em Benfica, zona norte do Rio, acusaram a professora Monique Medeiros de ter praticado atos libidinosos com o advogado dela, dentro do presídio.

Monique está presa na mesma unidade e é acusada de ter participado do assassinato do filho, Henry Borel, de 4 anos. O garoto foi assassinado pelo padrasto, o médico e vereador Dr. Jairinho, em 8 de março de 2021.

Segundo as denúncias, às quais o G1 do Rio de Janeiro teve acesso, Monique teria mostrado os seios, enquanto o advogado se masturbava.

A situação teria ocorrido dentro do parlatório, que é o espaço no presídio em que o cliente conversa com o advogado, separados por um vidro. Nesse espaço, não há câmeras de monitoramento, para preservar o sigilo profissional entre advogado e cliente.