Prescrever cloroquina é cretinice e perversidade, diz ex-prefeito de Manaus sobre pressão de Pazuello

Reinaldo Canato – 24.jun.2019/Folhapress

Prefeito de Manaus até o final de 2020, Arthur Virgílio (PSDB-AM) diz que fazer pressão para que a gestão municipal prescreva cloroquina é “cretinice”, “absurdo e perversidade”.

Por outro lado, defende a ivermectina, que também não tem eficácia comprovada contra a Covid-19. Ele tomou o remédio quando foi contaminado pelo coronavírus.

Como revelou o Painel, a Prefeitura de Manaus está sendo pressionada pelo Ministério da Saúde do governo Jair Bolsonaro a distribuir remédios sem eficácia comprovada para tratar seus pacientes, como cloroquina e ivermectina.

Virgílio também rebate Bolsonaro, que disse que Eduardo Pazuello foi a Manaus interferir diante do caos. “Não sei se ele consegue se considerar responsável pela morte de tanta gente que seguiu seus conselhos pouco ajuizados. Não sei se consegue colocar a cabeça no travesseiro. Se sim, tem algo de errado com ele. O que ele faz custa vidas e é irreparável”.