Presidente da CMM defende retorno “gradual e consciente” de fieis às igrejas

O presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), vereador Joelson Silva (Patriota), avaliou como “sensata e coerente” a decisão do governador Wilson Lima de permitir, de forma gradativa, que sejam realizadas celebrações religiosas presenciais nas igrejas a partir do próximo dia 1º.

“É uma medida coerente e sensata. Mais uma vez, o diálogo e o bom senso prevaleceram”, avaliou Joelson Silva.

De acordo com o cronograma de reabertura anunciado na noite de quarta-feira (27) e dado, horas antes, com exclusividade pelo Radar, as igrejas podem reabrir desde que os cultos e demais celebrações sejam realizadas com até 30% dos fieis. 

Até então, as igrejas estavam fora do protocolo de intenções que libera alguns setores das restrições impostas pelo novo coronavírus, a partir da data em questão.

Vídeo
O chefe do Legislativo Municipal teve acesso ao vídeo divulgado esta semana nas redes sociais pelo governador Wilson Lima, referente a um estudo feito para que as atividades nas igrejas fossem retomadas somente na segunda quinzena de junho, o que deixou um sentimento de indignação no ar.

Joelson Silva lembrou que as igrejas foram as primeiras a adotar as medidas de isolamento social contra a transmissão da Covid-19 e, sempre que solicitadas, têm ajudado as autoridades a enfrentar o problema, principalmente, no momento de pico da pandemia.

“Sempre que são chamadas para ajudar, na sociedade, as igrejas se colocam prontamente à disposição com as autoridades eclesiásticas, de forma muito tranquila, simples, seguindo as regras ou ordenamento praticados no nosso estado e no nosso país. Tenho certeza que todas saberão fazer, porque são disciplinadas”, ressaltou.

No vídeo em que se pronuncia ao lado dos deputados Felipe Souza (Patriota) e João Luiz (Republicanos), que compõem a base evangélica da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), Wilson Lima reforça a ideia de respeito ao limite de lotação, que limita o acesso e não permite a presença de pessoas acima de 60 anos nas igrejas, mas deixa claro que, qualquer medida a ser tomada nesse momento de pandemia, deve ser feita com base nos números apresentados, sob orientações de especialistas e dentro de um diálogo constante com todas as partes envolvidas, para que, segundo o governador, sejam decisões acertadas.

Com informações da Diretoria de Comunicação da CMM.