Presos na operação “Vertex” devem deixar a cadeia nesta quarta-feira (24)

Os presos na operação “Vertex”, deflagrada na sexta-feira (19) pela Polícia Federal (PF), em uma nova fase da operação “Maus Caminhos”, que investiga a prática de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de uma organização criminosa no Amazonas, devem ser soltos nesta quarta-feira (24), quando finaliza o prazo da prisão temporária.

O Radar apurou que até às 16h30 desta terça-feira (23), a Justiça Federal do Amazonas não havia sido acionada para que houvesse a prorrogação da prisão temporária ou a transformação para preventiva.

Questionado sobre a investigação, o Ministério Público Federal (MPF) informou que vem acompanhando o trabalho da Polícia Federal e vai aguardar o final do prazo, que vence hoje à meia-noite, para se manifestar a respeito.

A Superintendência Regional da Polícia Federal do Amazonas informou que ainda não possui informações a respeito do assunto.

Entre os presos na operação que devem deixar a cadeia nesta quarta-feira estão: Amin Abdel Aziz Neto, Manssur Muhamad Abdel Aziz e Murad Abdel Aziz, irmãos do senador Omar Aziz, além de José Renato de Lima, Ricard Campos Marques, Paulo José Gomes da Silva e Josenário Baracho de Figueiredo.

A ex-primeira-dama do Estado, Nejmi Aziz, deixou o Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF), no domingo (21), após a desembargadora Maria do Carmo Cardoso, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), conceder o pedido de Habeas Corpus.

Além da ex-primeira-dama, Nafice Bacry Valoz, presa na sexta-feira durante a operação, também conseguiu ser solta após apresentar uma medida cautelar, por conta de uma doença crônica.

Confusão

Ainda na tarde desta quarta-feira, a Justiça Federal do Amazonas havia publicado a decisão do juiz Marllon Sousa, da 2ª Vara da Justiça Federal do Amazonas, negando o pedido de relaxamento de prisão temporária de Manssur Muhammad Abdel Aziz para prisão domiciliar. O juiz havia indeferido o pedido de reconsideração e manteve a prisão temporária do irmão do senador Omar Aziz.

Entretanto, após uma atualização, a informação foi retirada do processo n° 0009630-54.2019.4.01.3200. Questionado sobre o fato, a Justiça Federal informou que a informação não procedia. “Esse processo não se refere ao investigado Manssur Muhammad Abdel Aziz”.

Leia na íntegra o que foi publicado e apagado momentos depois:

“Portanto a situação de saúde do investigado não se enquadra nas hipóteses do art 318 II do CPP em que se admitiria a substituição por prisão domiciliar Também não há que se falar em substituição da prisão por medidas cautelares uma vez que a custódia cautelar foi decretada com fulcro no art 1º III da Lei nº 796089 para garantir o sucesso das investigações e impedir eventual destruição de provas ou embaraços às diligências policiais fundamentos que permanecem hígidos até o momento Ante o exposto indefiro o pedido de reconsideração e mantenho a prisão temporária de MANSSUR MUHAMMAD ABDEL AZIZ Oficiese à SEAP com cópias dos documentos juntados às fls 199205 a fim de seja dado tratamento ambulatorial necessário ao custodiado Publiquese Intimese o MPF”