Pressionado pelo escândalo de corrupção na Seduc, Luiz Castro pede para sair (ver vídeo)

Após oito meses a frente da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), o ex-deputado Luiz Castro deixou o cargo, em meio a escândalos de corrupção envolvendo dispensas de licitações para merenda e o pagamento de “mensalinho” em contratação para o transporte escolar. A confirmação foi feita na página oficial do Governo do Estado, por meio de transmissão ao vivo, na última quarta-feira (28). (Veja vídeo no final da matéria)

Em seu pronunciamento, Castro lembrou sua trajetória política e alegou que recebeu uma secretaria desorganizada, o que segundo ele, demandou muito trabalho na área administrativa. Além disso, Castro diz ter sido alvo “fácil” de calúnias e difamações “daqueles que não querem ver o Amazonas crescer”.

“A Seduc é uma secretaria muito complexa, tivemos desde o início a visão de problemas herdados (…) e a nossa prioridade foi a organização que estava ruim e, que vai necessitar de mais tempo de trabalho. Esse fato nos demandou muito trabalho na área administrativa, mesmo assim ficou claro pra nós que as decisões que fomos tomando eram indispensáveis aos interesses dos alunos, tivemos que fazer poucas licitações pensando na garantia no transporte de alunos do interior das comunidades rurais para as escolas na sede dos municípios e garantir alimentação nas escolas de tempo integral, de forma rápida para não causar enorme prejuízo, mas fomos criticados e difamados por conta dessas contratações”, disse.

De acordo com Castro, devido aos longos anos de carreira pública, teria se tornado um alvo preferencial de diversos ataques, calúnia de difamação no governo de Wilson Lima, o que afetou sua vida pessoal e saúde.

O agora ex-secretário da Educação, também se defendeu das denúncias feitas pelo empresário Francisco Luiz Dantas Silva, dono da empresa Dantas Transporte, que cobre 21 municípios no Estado com serviços de transporte Escolar, afirmando que elas não o envolvem.

“Contrariado com os seus interesses, o empresário não cumpriu com o contrato como deveria, com a contratação de todos os monitores previstos e teve descontado em suas faturas o pagamento que não poderia receber. E aí fez uma denuncia que tem que ser apurada e precisa ser investigada e nós já tínhamos iniciado uma investigação de indícios de irregularidades antes mesmo do MPC fazer uma denúncia formal”, relatou em um trecho do vídeo.

Com a sua saída do cargo, Castro diz, ainda, que acredita que o Governo do Estado trabalhe com mais tranquilidade na Seduc e deseja que o novo secretário, ainda não definido, continue os trabalhos iniciados em sua gestão. “Agora vou ter mais tempo pra cuidar da minha saúde e da minha família, que são minhas prioridades nesse momento”, finalizou.