Processo de Wilson Lima sobre venda de respiradores em loja de vinhos é entregue a senadores da CPI da pandemia

Investigação do AM faz parte dos processos sigilosos da PF tramitando no STJ, revela revista VEJA

Edmar Barros/Futura Press

Senadores da CPI da pandemia já estão sob a posse do processo sigiloso, em trâmite no Superior Tribunal de Justiça (STJ), envolvendo o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), onde ele é acusado pelo Ministério Público Federal de participar de esquema criminoso da compra superfaturada de respiradores feitas de uma loja de vinhos, no ano passado.

Segundo inquérito da Polícia Federal, a organização criminosa, da qual participaria Lima, teria desviado R$ 2,2 milhões, durante a pandemia. A revelação foi feita pela revista Veja, na edição nº 2748.

Além do governador do Amazonas, os processos sigilosos envolvem governadores de mais dois estados: Bahia e Pará. As investigações incluem políticos em cargos executivos, servidores públicos e empresários, suspeitos de, por exemplo, ações de vendas super valorizadas, lavagem de dinheiro e pagamento de serviços que nunca foram prestados. Tudo relativo a ações de combate à pandemia. A PF estima que o total de desvios pode chegar a R$ 4 bilhões, desde que pandemia começou.

A revista revela, ainda, que entre os processos encaminhados à CPI, o que envolve Lima é o mais adiantado.

(*) com informações da Veja