Procurador que agrediu colega é preso no interior de SP

Demétrius Oliveira de Macedo foi detido em uma clínica de Itapecerica da Serra

Foto: divulgação

A Polícia Civil prendeu na manhã desta quinta-feira (23) o procurador Demétrius Oliveira de Macedo, 34, que foi flagrado em vídeo agredindo a procuradora-geral Gabriela Samadello Monteiro de Barros, 39, em Registro, no interior de São Paulo.

O procurador foi encontrado pela polícia em uma clínica em Itapecerica da Serra, segundo informações do governo do estado, que divulgou imagens do momento da prisão.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa dele.

Nessa quarta-feira, a Justiça havia determinado a prisão preventiva do procurador, a pedido da Polícia Civil após a repercussão do caso. Segundo a polícia, Macedo apresentou “sérios problemas de relacionamento com mulheres no ambiente de trabalho, sendo que, em liberdade, expõe a perigo a vida delas, e consequentemente, a ordem pública”.

A mulher foi agredida na tarde de segunda (20), e as cenas filmadas por funcionários ganharam forte repercussão nas redes sociais. Quando a procuradora já está ferida no chão, outras duas mulheres aparecem na sala para ajudá-la. Elas tentam conter o agressor, que também as agride e xinga a colega.

A agressão ocorreu na sede da Prefeitura de Registro (a 188 km de São Paulo), onde ambos trabalham. O motivo seria a abertura de um procedimento disciplinar contra Macedo, determinado pela procuradora-geral para apurar comportamentos inadequados dele no trabalho.

Segundo ela contou à polícia, uma funcionária já havia reclamado e dito ter sentido “medo” de trabalhar no mesmo ambiente que ele.

Após o registro do boletim de ocorrência no 1º Distrito Policial da cidade, ainda na segunda, Macedo foi liberado pela polícia.

Questionada pela reportagem, a Polícia Civil informou que não fez o flagrante na ocasião porque não estavam presentes todas as partes envolvidas. Os policiais militares que conduziram Macedo à delegacia também não presenciaram o ato violento.

Em entrevista à Folha na noite desta quarta, a procuradora declarou que não consegue sair de casa e teme ser morta caso encontre o responsável pelo ataque.

“Eu espero que ele seja preso, porque até então, quem estava presa era eu. Que não estava conseguindo sair de casa, trabalhar, andar sozinha na rua. Se eu encontrar com ele, ele vai me matar. Eu ainda acho que ele pode me matar”, disse Barros.

A procuradora afirmou que ainda está fragilizada, sente dores no corpo e tem hematomas na face. Afastada das atividades e sem previsão de retorno, ela disse que os ferimentos foram profundos, mas preferiu fazer curativos a levar pontos.