Procuradoria de Coari vai entrar com representação contra deputado Sinésio por quebra de decoro

sinésio capaO procurador geral do município de Coari, Fábio Tavares, disse que vai entrar com representação junto à Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) contra o deputado Sinésio Campos (PT) por abuso de prerrogativa do cargo, o que se caracteriza em quebra de decoro parlamentar. “É um absurdo o que o deputado Sinésio Campos fez em Coari. Ele se utilizou do cargo público que ocupa e de ser da comissão de Educação da Assembleia para interesses políticos próprios e de um grupo político. Como parlamentar ele pode dizer o que quiser, mas não usar o cargo que tem para mentir publicamente, atacando a administração municipal sem provas”, contestou o procurador.

Convenção Municipal de Partidos Coari 5Sinésio Campos esteve em Coari, junto com o deputado federal, Átila Lins (PSD) e o suplente de deputado federal, Gedeão Amorim (PMDB), no sábado (19), para participar das convenções municipais de seis partidos em apoio à candidatura do filho de Adail Pinheiro, Adail Filho (PP), para prefeito de Coari.“Pra começo de conversa, convenção é em julho, – conforme novo calendário aprovado pelo TSE as convenções partidárias são de 20 de julho a 05 de agosto – logo é ilegal se realizar convenções partidárias fora do prazo, mas mesmo que fossem legais, o deputado Sinésio, conforme programação distribuída pelos próprio partidos, veio tão somente para as convenções, então não poderia usar as prerrogativas do cargo para estar defendendo interesses políticos partidários de um grupo e seus próprios interesses”, explicou o procurador

Segundo o procurador, o deputado Sinésio Campos, em discursos e entrevistas feitas em Coari fez pesadas críticas à administração municipal alegando problemas nas escolas administradas pela Prefeitura, problemas esses que não existem. “O deputado não vistoriou as escolas da Prefeitura, poderia ter ido como deputado que é, mas não foi, e nem veio aqui pra isso. E aí, sai falando de coisas que não viu, que não tem provas, dizendo inverdades sobre a educação em Coari, desrespeitando servidores da Educação e o secretário da pasta, atacando a Prefeitura de Coari. Isso é um desrespeito com o cargo e até com o Poder do qual faz parte”, reclamou o procurador.

E cadê Sinésio?

Fábio Tavares comenta que, mesmo com todas as quedas de arrecadação, a Prefeitura de Coari reformou as escolas, está trocando atualmente até mesmo os ares-condicionados, não tem faltado merenda escolar e nem transporte escolar. “Isso tudo acontecia em administrações passadas. O MPE (Ministério Público do Estado) veio em Coari e constatou o que estava acontecendo, assim como tem acompanhado de perto as ações da Prefeitura na área de Educação. E, enquanto milhares de crianças estavam fora da escola, onde estava o deputado professor Sinésio Campos que está em seu quinto mandato e sempre fez parte da comissão de Educação do Poder Legislativo estadual?”, questionou o procurador.

Fábio Tavares indagou também onde estava o deputado Sinésio Campos, enquanto era desviado o dinheiro da Educação em Coari. “E quem diz que o dinheiro foi desviado é o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), desvio esse que está sendo apurado pelo Ministério Público Federal (MPF). São mais de R$ 30 milhões que sumiram dos cofres públicos. Para a Prefeitura arcar com os custos da Educação em Coari, tivemos que entrar com mais de 30 queixas-crimes para desbloquear recursos que a Prefeitura estava impedida de receber por causa do sumiço do dinheiro sem prestação de contas”, argumenta.

Se contrapondo à legalidade dos ataques feitos pelo deputado Sinésio Campos quanto ao sistema de educação pública do município, Fábio Tavares lembrou que, em novembro do ano passado, o procurador da República, promotoria de Tefé, Eliabe Soares, esteve em Coari vistoriando as escolas do município por conta das mais de 30 queixas-crimes impetradas pela Prefeitura de Coari por causa do desvio de recursos da Educação por administrações passadas e, segundo palavras do próprio procurador, as escolas de Coari estão em “condições mais do que satisfatórias”.

Teoria da Conspiração

Apontando os “absurdos” acontecidos em Coari durante a convenção dos partidos em apoio à candidatura de Adail Filho, o procurador Fábio Tavares conta que o deputado Sinésio chegou a comparar Adail Pinheiro com Lula. Já o filho de Adail Pinheiro, o pré-candidato à Prefeitura de Coari, usou uma tal teoria da conspiração para vitimizar seu pai, ao dizer que o que aconteceu foi uma maquinação para “manchar sua imagem” de seu pai

“Isso é um desrespeito com o trabalho do Judiciário. A cassação de Adail foi decidida pela maior Corte de Justiça Eleitoral desse País, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Da mesma forma, a condenação criminal foi uma decisão da Corte de Justiça do Estado. Ele acha que pode tudo, até desqualificar a Justiça? O Brasil está mudando e Coari não é mais o que era antes, aqui não é terra de ninguém, que se pode chegar e fazer o que quiser, sem respeitar nada, nem mesmo as Leis”, critica o procurador. (Any Margareth)