Procuradoria ordena prisão de Mubarak

Mubarak

O ex-presidente do Egito, a mulher e os filhos são acusados de terem se apropriado dos fundos públicos designados para as despesas do palácio presidencial.

O procurador-geral do Egito, Talaat Ibrahim, ordenou neste domingo a prisão preventiva do ex-presidente egípcio Hosni Mubarak por um novo caso de corrupção, informou a agência de notícias Mena. Mubarak, sua mulher, Suzanne Mubarak, e seus filhos Gamal e Alaa são acusados de se apropriar ilicitamente dos fundos públicos designados para as despesas do palácio presidencial.

A ordem de prisão estipulada durante 15 dias entrará em vigor assim que vencer o período de detenção preventivo que Mubarak cumpre atualmente por outras causas judiciais. A justiça egípcia anulou em janeiro a sentença pela qual Mubarak tinha sido condenado à prisão perpétua pela morte de manifestantes durante as revoltas populares de 2011, nas quais foi desbancado do poder.

Está previsto que o julgamento de Mubarak seja repetido em 13 de abril, quando também voltarão a ser processados pela morte de manifestantes o ex-ministro do Interior Habib al Adli, condenado a prisão perpétua na primeira sentença, e seis altos cargos de seu departamento, que foram absolvidos.

Também será repetido o julgamento de seus filhos e do empresário Hussein Salem – detido na Espanha – por delitos de enriquecimento ilícito e por favorecer a exportação de gás a Israel a preços abaixo do valor de mercado. Mubarak permanece hospitalizado devido a seu delicado estado de saúde, agravado após a queda que sofreu em dezembro durante um banho da prisão de Tora.