Produção industrial do Amazonas cresce 7,3%, aponta pesquisa do IBGE

CNI/José Paulo Lacerda/Direitos reservados

A produção industrial do Amazonas cresceu 7,3% no mês de agosto, comparado ao mês de julho, conforme aponta a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) regional divulgada, nesta sexta-feira (8), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A alta registrada no mês, no Estado, foi a maior entre as unidades da federação pesquisadas. No país, a produção industrial caiu em sete de 15 locais na passagem de julho para agosto.

O único resultado negativo da indústria amazonense em agosto de 2021 foi na comparação com o mesmo mês do ano anterior, pois houve queda de 1,5%. Os demais resultados mostram crescimento acentuado da produção industrial no Estado: no acumulado do ano, período de janeiro a agosto, a alta foi de 17,1%; e no acumulado dos últimos 12 meses, a alta foi de 14,4%. Enquanto em nível Brasil, o desempenho da indústria, no ano, está em 9,2%. Já o desempenho dos últimos doze meses, em agosto, ficou em 7,2%, no país.

Com o resultado de agosto, seis locais estão acima do patamar pré-pandemia, de fevereiro de 2020: Minas Gerais (10,3% acima), que desde julho do ano passado é o único local que se mantém na lista, além de Santa Catarina (4,9%) Paraná (1,8%) Rio de Janeiro (1,4%), Amazonas (1,0%) e São Paulo (0,1%).

Desempenho por atividades

Em agosto, as indústrias extrativas tiveram queda de 1,6% no acumulado do ano, e as de transformação, tiveram alta de 18,2%.

As atividades da indústria local que tiveram resultado positivo e contribuíram para o desempenho da indústria amazonense foram a Fabricação de produtos de borracha (56,0%), a Fabricação de máquinas e equipamento (54,6%) (artefato de aço e tampas e cápsulas), Outros equipamentos de transportes (44,8%) (motocicletas e suas peças), fabricação de bebidas (21,6%), fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (18,3%) (gás natural), fabricação de máquinas e equipamentos e materiais elétricos (16,7%) (conversores, alarmes, condutores e baterias), fabricação de produtos de metal (10,8%) (lâminas, aparelhos de barbear, estruturas de ferro), e fabricação de equipamentos de informática e eletrônicos (2,1%) (celular, computador e máquinas digitais). A única atividade que teve desempenho negativo foi a Impressão e reprodução de gravações (-69,7%) (DVDs e discos).