Professores da rede estadual de Ensino têm plano de saúde suspenso por falta de pagamento

Foto: Divulgação/Asprom.

Os professores da rede estadual de Ensino ganharam de presente de fim de ano a suspensão do plano de saúde por falta de pagamento. Para chamar atenção e reivindicar o direito ao benefício, a categoria realizou um ato público, em frente à sede da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), na zona Centro-Sul, nessa sexta-feira (28).

Segundo o representante do Sindicato dos Professores e Educadores de Manaus (Asprom), Lambert Melo, o grupo não foi recebido e nem obteve nenhuma resposta da Secretaria de Educação. “Fomos informados na recepção que não havia ninguém no gabinete do secretário Gedeão Amorim, porque teriam sido convocados para uma reunião de urgência. Mas não sabemos que reunião teria sido”, lamentou.

De acordo com ele, enquanto isso, tanto os profissionais da educação da capital quanto do interior do Estado continuam sem conseguir realizar atendimento médico, há pelo menos, uma semana.

“Nós buscamos contato com a Hapvida que nos disse que somente as pessoas com dependentes inadimplentes com a empresa, mesmo que fosse um único mês, teve o plano de saúde suspenso. Mas isso não corresponde com a realidade, já que recebemos centenas de denúncias de titulares sem pendências financeiras que também estão sentindo dificuldades para marcar consulta, fazer exames e serem atendidos em Pronto-Socorro”, afirmou o representante.

Lambert Melo argumenta que a Seduc alega não ter pendências e teria até prorrogado o contrato com o Hapvida por 12 meses, mas segundo ele, a pasta admite para o outro sindicato que houve algum problema de repasse do pagamento.

“Caso a situação não se resolva, vamos realizar um novo ato público nos próximos dias. Se o plano de saúde dos profissionais da educação continuar suspenso, poderá influenciar na rematrícula dos alunos da rede estadual de ensino e no início do ano letivo de 2019”, adiantou.

Em nota, a Seduc apenas informou que já autorizou o pagamento do plano de saúde na semana passada. A autorização foi enviada à Secretaria do Estado da Fazenda (Sefaz-AM) para que o repasse fosse realizado.